Fotos

8 melhores restaurantes recém-inaugurados em Chicago

Chicago é um daqueles lugares nos Estados Unidos onde é possível jantar por qualquer preço. Neste ano, novos restaurantes chegaram para incrementar a já impressionante coleção da cidade.

LEIA TAMBÉM: São Francisco é a cidade com mais restaurantes três estrelas Michelin nos EUA

Infelizmente, alguns estabelecimentos também fecharam, incluindo o Won Fun, Grace e Vera. As inaugurações incluem locais que prometem ser populares, como o Marisol, que fica no interior de um museu e tem um ambiente artístico. Outros, como o Beatnik e o HaiSous Vietnamese Kitchen, têm o apelo da culinária internacional.

Veja, na galeria de fotos a seguir, 8 melhores novos restaurantes em Chicago:

  • Portsmith
    O local, que tem um belo design, serve frutos do mar e combina a cozinha criativa com técnica. Os deliciosos pratos vão do elaborado polvo crocante coberto com floco de arroz seco fermentado com geléia de pimenta e maionese de calamondin a um simples turbot de limão meyer na trufa beurre blanc. Até o pão se destaca, podendo ser um dos melhores de Chicago, com a manteiga de alecrim caseira derretendo em uma ciabatta de tinta de lula e a manteiga de alho preto adoçando a massa azeda de flocos de bonito. As sobremesas também seguem o tema marinho, que tem como inspiração os portos internacionais de Cuba a Grécia. O Fifty/ 50 Group teve uma grande trajetória desde que abriu seu primeiro bar de esportes há oito anos. O Portsmith continua sua evolução em restaurantes sofisticados.

  • Daisies
    O chef Joe Frillman envolveu toda a sua família neste humilde restaurante na Logan Square. A maioria dos produtos vem da fazenda dos Frillman e as pinturas de aquarela com tema de vegetais que decora o local são da irmã de Joe. Apesar de ser um pouco fora do caminho, o macarrão é tão bom quanto o que ele preparava antes, no Balena. Comece com os rillettes de cenoura junto com pato e abobrinha picante a la plancha e, em seguida, peça agnolotti de beterraba com ovas de trutas defumadas e tajarin de queijo com frango. Para a sobremesa, recomenda-se o bolo de kahlua de Nancy, receita especial da mãe de Joe.

  • Proxi
    A equipe por trás do restaurante de estrelas Michelin Sepia trouxe comidas de rua com cores vibrantes para o bairro West Loop. O Proxi pode até ser considerado um irmão mais novo e mais casual do Sepia, que fica ao lado. O local é mais animado e experimental, tanto no que se refere à comida quanto na carta de vinhos que muda constantemente. As ostras assadas no carvão são temperadas com samjang coreano, enquanto o bolo indiano crocante bhel puri é servido com legumes cortados em tiras bem fininhas.

  • HaiSous Vietnamese Kitchen
    O casal Thai e Danielle Dang abriram este restaurante vietnamita em Pilsen, coração da comunidade mexicana mais conhecida pelos tamales e tacos. Ele prepara a comida e ela mistura as bebidas. Pratos como o frango marinado em pasta de lemongrass e chili e o peixe frito fazem a visita valer a pena. O cardápio coloca os nomes no idioma vietnamita e, em seguida, uma descrição em inglês. Tem pratos deliciosos com preço acessível. O brunch, um dos mais especiais da cidade, inclui brioche pandan e a receita de bife pho da mãe de Thai.

  • BLVD
    O exterior industrial combina com o interior, que tem um vibe meio hollywoodiana com referências às baladas de Vegas. Neste restaurante no Wet Loop, uma escadaria leva a um lounge de champanhe e aos banheiros no andar de cima, permitindo que você faça uma entrada triunfante no salão, entre os candelabros. Os pratos incluem vieiras sobre grãos cremosos e bife com osso, manteiga especial e batatas com alho. Até os legumes são glamurosos, como a couve-de-bruxelas com molho de guanciale e pimenta vermelha. E mais: a pessoa que pedir uma torre de frutos do mar ou caviar ganha uma taça de champanhe.

  • Marisol
    O novo restaurante, localizado no Museu de Arte Contemporânea, é divertido e artístico, assim como a dona, a artista franco-venezuelana Marisol Escobar. O chef Jason Hammel é conhecido como um dos pioneiros do movimento “da fazenda para a mesa” de Chicago, no Lula Cafe. O Marisol é como um complemento alegre para a praticidade lógica do Lula. O cardápio varia ao longo do dia, de saladas leves e sanduíches a pratos com mais substância no período da noite,incluindo um excelente frango assado com bolinhos, abóbora, maçã e torradas com patê. A chef de pastelaria Alison Cates é uma estrela do ramo, não só pelo sorvete e outras sobremesas deliciosas, mas também pelos biscoitos e doces servidos na padaria que fica no mesmo lugar.

  • Beatnik
    O novo restaurante do Grupo Bonhomme Hospitality é o projeto mais animador que a empresa já teve. O Beatnik tem fortes influências marroquina e turca, tanto no cardápio quanto na decoração, nos azulejos coloridos, nos candelabros, almofadas e tapetes. É possível fazer uma refeição com preço baixo que o deixe satisfeito só com pratos como baba ghanoush, vieiras defumadas com nogueira, almôndegas de curry e abóbora torrada com iogurte jalapeño de coentro e pepitas temperadas crocantes. Além de opções de carne e frutos do mar para serem divididas, como a lagosta Maine com molho de coco tailandês e manteiga de uni e o cordeiro assado preparado ao estilo libanês com pão roti e tzatziki de pistache. O local também é uma ótima escolha para vegetarianos, com dezenas de opções.

  • The Delta
    Esse bar e restaurante do grupo Wicker Park se tornou um sucesso inesperado, honrando a comida do Delta do Mississippi com pratos amanteigados, frituras, tomates verdes fritos e camarão grelhado étouffée. Tamales são o destaque do cardápio e você vai se arrepender se não prová-los, seja a versão vegana de cogumelos apimentados ou o Jim Shoe, uma bagunça de carnes de um sanduíche do sul de Chicago que no Delta é repaginado com grãos macios de farinha de milho. O peixe-gato de uma pescadora em Isola, Mississippi, se tornou um hit do restaurante logo que foi lançado. O prato não é frito, mas grelhado inteiro até ficar crocante e, então, coberto com um saboroso molho Soubise.

Portsmith
O local, que tem um belo design, serve frutos do mar e combina a cozinha criativa com técnica. Os deliciosos pratos vão do elaborado polvo crocante coberto com floco de arroz seco fermentado com geléia de pimenta e maionese de calamondin a um simples turbot de limão meyer na trufa beurre blanc. Até o pão se destaca, podendo ser um dos melhores de Chicago, com a manteiga de alecrim caseira derretendo em uma ciabatta de tinta de lula e a manteiga de alho preto adoçando a massa azeda de flocos de bonito. As sobremesas também seguem o tema marinho, que tem como inspiração os portos internacionais de Cuba a Grécia. O Fifty/ 50 Group teve uma grande trajetória desde que abriu seu primeiro bar de esportes há oito anos. O Portsmith continua sua evolução em restaurantes sofisticados.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br)

Comentários
Topo