7 dicas para evitar o trabalho nas horas vagas

Quase todo mundo que trabalha em um escritório vai enfrentar, mais cedo ou mais tarde, o problema das horas extras. É só aparecer um grande projeto que você terá que checar seus emails à noite. A partir desse momento, é apenas uma questão de tempo até que você esteja recebendo ligações, checando mensagens de texto e emails com frequência – até mesmo quando não deveria estar trabalhando.

LEIA MAIS: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

Evitar o trabalho fora do horário do expediente não é mais uma realidade nos dias de hoje, mas os profissionais devem estabelecer – e reforçar – seus limites. Você também precisa informar ao seu chefe, de forma educada e firme, essas restrições.

Veja, na galeria de fotos a seguir, 7 dicas para evitar o trabalho nas horas vagas:

  • 1) Decida com antecedência quando aceitará – ou não – ligações e emails do trabalho

    Como regra, alguns profissionais não atendem ao telefone durante o jantar e colocam o celular no modo “não perturbe” quando estão passando um tempo com a família.

  • 2) Tome cuidado ao dar seu contato pessoal

    Apesar do seu empregador ter acesso ao número do seu celular e da sua casa, não há motivo para fornecer seu contato para todo mundo que pedir. Vendedores, clientes ou colegas de trabalho talvez peçam queiram ter o seu número, mas vale a pena se manter firme. Se você não se sente confortável em negar, é só dizer, sempre com uma risada, que você checa mensagens o tempo inteiro ou que nunca deixa o escritório. Um pouco de leveza ajuda nessas situações.

  • 3) Coloque o seu celular no modo “não perturbe” depois de determinado horário

    Muitos profissionais tiram o som do celular depois das 21h30, pois é importante preservar o sono. Ainda assim, alguns aparelhos vão avisar caso ligações de um mesmo número não sejam atendidas duas vezes seguidas, de modo que você tenha a chance de receber telefonemas urgentes.

  • 4) Deixe o celular de lado

    Não existe regra que diga que você não pode deixar o seu celular ou iPad de lado e ignorá-los por um tempo. Você pode deixar o aparelho na cômoda em vez de carregá-lo o tempo todo, o que proporciona um tempo livre longe da tela e evita a tendência de checar os emails mais uma vez.

  • 5) Considere desconectar o email profissional do seu celular

    A atitude força o profissional a delinear com clareza o tempo livre e o de trabalho. Assim, você continua disponível para ligações ou mensagens de texto, mas somente em casos de emergência.

  • 6) Mensagens de texto e ligações do trabalho só em casos de emergência

    Não use mensagens de texto como uma forma normal de discutir problemas de trabalho com clientes ou colegas, já que o meio tem um imediatismo que é desnecessário na maioria das vezes. Quase todas as questões de trabalho devem esperar até que o profissional cheque seu email.

  • 7) Lembre-se de que nem tudo tem de ser respondido imediatamente

    Quando você receber uma mensagem de texto ou email, não deixe que o meio determine o nível de prioridade. Mensagens tendem a aparecer com uma urgência que pode ou não estar relacionada com a importância da questão. Às vezes, é melhor lembrar as pessoas de que a mensagem não demanda uma resposta imediata e, melhor ainda, ela pode ser respondida por email ou de uma outra forma de comunicação menos incômoda.

1) Decida com antecedência quando aceitará – ou não – ligações e emails do trabalho

Como regra, alguns profissionais não atendem ao telefone durante o jantar e colocam o celular no modo “não perturbe” quando estão passando um tempo com a família.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br)

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).