Conheça o Museu da Sobremesa, atração ideal para os viciados em açúcar

Os amantes de doces, que gostam de perambular pelos museus abastecidos por guloseimas enquanto tiram selfies, esse é o lugar perfeito.

LEIA MAIS: Conheça a mulher de 25 anos que criou o Museu do Sorvete

No dia 10 de fevereiro, o Museu da Sobremesa foi inaugurado em Manila, capital das Filipinas, com oito salas desenhadas para os mais diferentes gostos – algodão-doce, urso de goma, marshmallow, chicletes, donuts, bengala doce, sorvete e cake pop – em um espaço de mais de 1.000 metros quadrados, onde é possível pular, brincar e deslizar.

Esse talvez seja o único tour do mundo que começa com os visitantes entrando por um buraco de donut e deslizando em um escorregador rosa – cada pedacinho do trajeto perfeito para posts no Instagram. Duas portas, “naughty” e “nice”, conduzem a diferentes bosques de bengalas de açúcar, árvores de algodão-doce (que os visitantes podem comer), espaços de marshmallow, arco-íris de alcaçuz e uma boutique, onde é possível comprar uma grande variedade de doces, entre eles, bolos de confete.

Os cofundadores do local, Tasha Reyes, Katrina Lacal e Joseph Moore, tiveram a ideia há cinco meses como forma de expressar seu amor por viagem e comida. Além da construção e design da atração, os amigos e sócios quiseram criar uma experiência compartilhável nas mídias sociais.

A entrada na Floresta de Algodão-Doce, por exemplo, é feita através de um pavilhão de árvores feitas do doce, com luzes ao redor, explica Tasha. Essa iluminação guia o visitante por um túnel de árvores que leva a um espaço com nuvens de algodão-doce “abraçáveis”, onde os instagrammers podem posar livremente – seja dentro da tigela do doce ou perto das nuvens feitas de algodão-doce. E o toque final: os doces com pó de fada (algodão-doce com leite desnatado em pó) das árvores podem ser colhidos e degustados imediatamente.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

Aqueles que gostam de aprender enquanto fazem uma visita vão ter no Museu da Sobremesa “material único”, garante Tasha. Lá é possível descobrir por que tem um buraco no donut e mergulhar na história de diferentes sobremesas, como a do algodão-doce, protagonizada pelo dentista William Morrison e pelo doceiro John C. Wharton, que criaram a delícia usando “floss sugar”, um tipo de açúcar que é derretido e colocado em forma de nuvem com fios de açúcar incrivelmente finos e longos, e que foi batizado de “Fairy Floss”

Só na primeira semana, o museu atraiu aproximadamente 7 mil visitantes, e espera receber mais 40 mil nos próximos dois meses. Em breve, Tasha quer adicionar um sabor mais distinto à atração, incorporando sobremesas locais e ingredientes como Ice Scramble e Inhame da Índia.

Os ingressos são vendidos online por valores equivalentes a US$ 13 e US$ 15 para os tours, que cobrem duas horas de passeio e seis sobremesas, como chocolates artesanais, marshmallows gigantes, macarons, mini donuts e cake pops.

Veja, na galeria de fotos a seguir, imagens do interior do museu:

  • No dia 10 de fevereiro, o Museu da Sobremesa foi inaugurado em Manila, capital das Filipinas

  • O Museu da Sobremesa tem oito salas desenhadas para os mais diferentes gostos – algodão-doce, urso de goma, marshmallow, chicletes, donuts, bengala doce, sorvete e cake pop

  • O museu está localizado em um espaço de mais de 1.000 metros quadrados

  • Os visitantes podem comer as árvores de algodão-doce

  • O museu espera receber 40 mil visitantes nos próximos dois meses

No dia 10 de fevereiro, o Museu da Sobremesa foi inaugurado em Manila, capital das Filipinas

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br)

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).