As novidades em hotéis localizados em aeroportos do mundo todo

Os hotéis localizados em aeroportos raramente pensam fora da caixa de vidro onde estão abrigados, servindo como hospedagem para passageiros que perderam o voo ou que precisam estar no aeroporto muito cedo. Esses estabelecimentos, que normalmente passam uma sensação deprimente dos anos 1980, têm um público cativo, mas dificilmente valem o dinheiro gasto.

LEIA MAIS: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

Ainda assim, umas poucas e corajosas novidades se juntaram a esses hotéis de cunho corporativo, e estão trazendo inteligência e sagacidade para o mercado.

Veja, na galeria de fotos a seguir, os melhores – e mais novos – hotéis de aeroporto do mundo:

  • Quando o CitizenM foi inaugurado no Aeroporto Schiphol, em Amsterdã, em 2008, causou uma verdadeira ruptura com o passado. O local é decorado com obras de arte, oferece livros aos hóspedes e, o melhor de tudo, possui restaurante e bar abertos 24 horas. Os quartos tendem a ser padrão, já que a empresa dedica mais tempo e esforço às áreas comuns. O mesmo acontece com a franquia no Aeroporto de Paris Charles de Gaulle – claro, iluminado e com boas peças de design. Um dos lados do prédio é dominado por uma obra de arte de Julian Opie.

  • O Bloc, no Gatwick Airport, em Londres, pegou o conceito de caixa e se aproveitou dele. O hotel conta com o essencial: os quartos são pequenos e não têm restaurante. Mas tem sido bem-sucedido. Há uma franquia em Birmingham, também em aeroporto, e outros dois destinos estão planejados para os próximos dois anos.

  • Na Nova Zelândia, o Naumi, com 193 quartos no Aeroporto de Auckland, foi inaugurado em fevereiro deste ano e tem um apelo milenar. O hotel conta com pátios privados, varandas, dez pontos de energia por quarto, piscina exterior, jardim particular, restaurante, bar e uma academia completa. A Ásia tem um histórico de adicionar piscinas em hotéis de aeroporto, sendo os mais notáveis o Regal, em Hong Kong, e o Crowne Plaza, em Singapura.

  • Existem muitos hotéis que, apesar de não serem revolucionários, são significativamente melhores do que a média. O Sofitel, no Aeroporto de Londres Heathrow, é a principal escolha dos viajantes, enquanto o Fairmount, no Aeroporto de Vancouver, ganha prêmios regularmente. Rico em toques dos países localizados às margens do Pacífico, o último inclui piscina e spa, mas, em vez de tentar escapar do aeroporto, aproveita-se dele: o bar permite que os hóspedes bebam enquanto assistem à decolagem dos aviões.

  • Como sempre no mundo do turismo, a Escandinávia tem a melhor alternativa. Se você quer se sentir parte do mundo da aviação, o Jumbo Stay, no Aeroporto de Estocolmo Arlanda, tem duas camas na cabine de voo de um avião e mais 76 camas em 33 quartos, todas instaladas dentro de uma desativada aeronave Boeing 747 de 1976. Além da cabine, o hotel está fortemente direcionado aos hóspedes de hostel, com muitos dormitórios. A propriedade inclui uma lanchonete e um serviço de transfer que leva os passageiros para o aeroporto em cinco minutos.

  • Em 2019, o TWA Hotel pretende inaugurar no prédio projetado por Eero Saarinen, em 1962, que o arquiteto Robert AM Stern descreveu como a Grande Estação Central da era do jato, período importante na história da aviação. Os 505 quartos no John F. Kennedy International Airport, em Nova York, terão vista para a pista de decolagem. O hotel abrigará oito restaurantes e bares, um museu sobre o TWA e design do meio do século, e um deque de observação na cobertura com piscina e um estúdio fitness de 3 mil m² – características que estavam longe da imaginação dos designers de hotéis de aeroporto do século 20.

Quando o CitizenM foi inaugurado no Aeroporto Schiphol, em Amsterdã, em 2008, causou uma verdadeira ruptura com o passado. O local é decorado com obras de arte, oferece livros aos hóspedes e, o melhor de tudo, possui restaurante e bar abertos 24 horas. Os quartos tendem a ser padrão, já que a empresa dedica mais tempo e esforço às áreas comuns. O mesmo acontece com a franquia no Aeroporto de Paris Charles de Gaulle – claro, iluminado e com boas peças de design. Um dos lados do prédio é dominado por uma obra de arte de Julian Opie.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br)

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).