Conheça alguns dos itens mais caros já leiloados

Na última terça-feira (24), a casa de leilões Sotheby’s anunciou que a obra do artista italiano Amedeo Modigliani, “Nu Couché (sur le côte gauche)”, irá a leilão em Nova York no dia 14 de maio. O valor estimado de venda, segundo a empresa, é de US$ 150 milhões.

VEJA TAMBÉM: Obra de Modigliani pode arrecadar US$ 150 mi em leilão

Ainda que a quantia de dinheiro esperada seja impressionante, ela não está sequer perto de quebrar o recorde. Em novembro do ano passado, o quadro “Salvator Mundi”, um retrato de Cristo pintado por Leonardo da Vinci, foi vendido por US$ 450,3 milhões – mais do que o dobro do preço de qualquer obra de arte já leiloada.

Não são só as obras de arte que arrecadam somas de cair o queixo em leilões. Itens como diamantes, carros e até um búfalo ultrapassam os US$ 10 milhões no mundo todo.

Veja, na galeria de fotos, alguns dos itens que mais arrecadaram em leilões:

  • ”Salvator Mundi”, de Leonardo da Vinci
    US$ 450,3 milhões

    O quadro “Salvator Mundi”, um retrato de Cristo pintado por Leonardo da Vinci, foi vendido pelo valor recorde de US$ 450,3 milhões pela casa de leilões Christie’s em novembro do ano passado, mais do que o dobro do preço de qualquer obra de arte já leiloada. A pintura, redescoberta recentemente, era a última obra de da Vinci ainda em mãos particulares e arrecadou mais do que quatro vezes o valor estimado pela casa de leilões antes da venda, de US$ 100 milhões.

  • ”Les Femmes d’Algers (Version O)”, de Pablo Picasso
    US$ 179,4 milhões

    O quadro “Les Femmes d’Algers (Version O)”, de Pablo Picasso, foi vendido por US$ 179,4 milhões pela Christie’s, em Nova York, em 2015. O valor, na época, bateu o recorde em leilões de arte. A pintura de 1955 era estimada em US$ 140 milhões. A oferta foi feita por um comprador anônimo.

  • ”Les Alyscamps”, de Vincent van Gogh
    US$ 66,3 milhões

    Uma pintura de Vincent van Gogh foi leiloada por US$ 66,3 milhões em Nova York em 2015. Esperava-se que o “Les Alyscamps”, que retrata o outono no sul da França, fosse vendido por US$ 40 milhões, mas um colecionador de arte asiático ofereceu o lance mais alto depois de uma disputa entre cinco potenciais compradores. O quadro foi pintado em 1888 durante os dois meses em que Van Gogh trabalhou com Paul Gauguin em Arles, na França.

  • The Constellation
    US$ 63 milhões

    Considerado o diamante bruto mais caro do mundo, o The Constellation foi encontrado pela mineradora canadense Lucara Diamond em novembro de 2015 em Botswana, na África. Em 2016, um leilão organizado pela Sotheby’s em Dubai levantou US$ 63 milhões pela pedra.

  • The Apollo Blue e The Artemis Pink
    US$ 57,4 milhões

    Um par de brincos coloridos e sofisticados, oferecidos separadamente, foi leiloado pela Sotheby’s em 2017, em Genebra, na Suíça, por US$ 57,4 milhões. A perspectiva era que o “The Apollo Blue” (“O Apolo Azul”), diamante de um azul intenso de 14,54 quilates, arrecadasse entre US$ 38 milhões e US$ 50 milhões, enquanto seu par, o“The Artemis Pink” (“O Ártemis Rosa”), diamante rosa de 16 quilates, fosse comercializado por algo entre US$ 12,5 milhões e US$ 18 milhões no leilão.

  • Blue Moon Diamond
    US$ 48,46 milhões

    O “Blue Moon Diamond”, um diamante azul único, foi vendido por US$ 48,468 milhões em um leilão da Sotheby’s em 2015, em Genebra, na Suíça. Com 12 quilates, o diamante foi comprado por Joseph Lau.

  • Terno de Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia
    US$ 40 milhões

    Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, não chama atenção apenas na política. O traje usado por ele em um dos encontros com o então presidente norte-americano Barack Obama deu o que falar. Depois de ser leiloado por um preço surpreendente em 2015, o famoso terno entrou para o Guinness Records como o mais caro já vendido. O país repassou o valor arrecadado para o Namami Gange Fund, projeto para limpar o Rio Ganges.

  • Vaso da dinastia chinesa Song
    US$ 37,68 milhões

    Um vaso de porcelana de quase 900 anos da dinastia Song quebrou o recorde mundial de leilões de cerâmica chinesa em 2017. O objeto foi comprado pelo equivalente a US$ 37,68 milhões em uma operação da Sotheby’s em Hong Kong. O vaso de 13 centímetros, usado para lavar escovas, foi cozido nas famosas fornalhas da dinastia Song do Norte (960-1127 d.C.) em Ruzhou e vendido para um comprador anônimo depois uma batalha de lances que durou 20 minutos.

  • Diamante branco de 163 quilates
    US$ 33,5 milhões

    Um diamante branco sem falhas de 163,41 quilates encontrado em 2016 em Angola foi leiloado em Genebra em novembro do ano passado por US$ 33,5 milhões, informou a Christie’s.

  • Sunrise Ruby
    US$ 30 milhões

    Um tipo raro de rubi de 25,59 quilates foi comprado em um leilão em Genebra em 2014 pelo valor recorde de US$ 30,33 milhões. A joia, chamada “Sunrise Ruby”, era parte de uma coleção da Cartier e a expectativa era de que fosse vendida por um valor entre US$ 12 milhões e US$ 18 milhões.

  • Aston Martin DBR1
    US$ 22,5 milhões

    A primeira unidade do Aston Martin DBR1, fabricada em 1956, foi vendida por US$ 22,5 milhões em 2017, em um leilão realizado pela Sotheby’s, nos Estados Unidos. O feito tornou o modelo britânico o mais caro já vendido em leilões.

  • Rolex Daytona Paul Newman
    US$ 17,8 milhões

    Considerado o arremate de 2017, a venda do legítimo exemplar do Rolex Daytona Paul Newman deu o que falar. O lance de abertura para o relógio foi de apenas US$ 1 milhão, mas, logo em seguida, subiu para US$ 10 milhões. Com as apostas acirradas subindo em escalas de US$ 500 mil, logo chegou ao patamar dos US$ 14 milhões e, como se não bastasse, algum grande apostador fez a oferta irrecusável de US$ 17,8 milhões.

  • ”Him”, de Maurizio Catellan
    US$ 17,2 milhões

    Uma escultura de Hitler foi adquirida por um comprador anônimo pelo valor de US$ 17,2 milhões em um leilão da Christie’s, casa londrina de vendas, em 2016. A obra de arte “Him”, feita de cera, resina de poliéster e cabelo humano, é assinada pelo artista Maurizio Cattelan.

  • ”Hannibal”, de Jean-Michel Basquiat
    US$ 14,71 milhões

    Uma das mais célebres e valiosas obras de arte do acervo do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira, do falido Banco Santos, foi leiloada por US$ 14,71 milhões pela famosa casa Sotheby’s em Nova York, em 2015. Datada de 1982, “Hannibal”, de Jean-Michel Basquiat, é considerada uma das primeiras obras-primas do artista grafiteiro que morreu precocemente, em 1988, com 28 anos de idade e cerca de 3 mil obras produzidas em apenas uma década de carreira.

  • Horizon
    US$ 11,1 milhões

    O búfalo mais caro do mundo foi vendido por US$ 11,1 milhões na África do Sul em 2016. Com um chifre de 142 centímetros, o Horizon tem os genes mais puros da espécie, o que triplica automaticamente o valor de qualquer fêmea com a qual ele se reproduza. A competição pelo animal foi tão acirrada que ele pertence agora a quatro empresários, cada um dono de 25% do búfalo.

  • Ratnaraj
    US$ 10,17 milhões

    Um anel extremamente raro de rubi de 10,05 quilates foi o item principal do leilão que ocorreu em 2016 na Christie’s Hong Kong Magnificent Jewels. Conhecido como “Ratnaraj”, que significa “Rei das Pedras Preciosas” em sânscrito, a joia foi descrita no leilão como uma ostentação de “tamanho significativo, brilho avermelhado e suave estrutura de cristais”. A joia foi arrematada por US$ 10,17 milhões.

”Salvator Mundi”, de Leonardo da Vinci
US$ 450,3 milhões

O quadro “Salvator Mundi”, um retrato de Cristo pintado por Leonardo da Vinci, foi vendido pelo valor recorde de US$ 450,3 milhões pela casa de leilões Christie’s em novembro do ano passado, mais do que o dobro do preço de qualquer obra de arte já leiloada. A pintura, redescoberta recentemente, era a última obra de da Vinci ainda em mãos particulares e arrecadou mais do que quatro vezes o valor estimado pela casa de leilões antes da venda, de US$ 100 milhões.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).