Musée de la Romanité é inaugurado na França

No próximo sábado (2), será aberto oficialmente ao público, no centro histórico da cidade de Nimes, na França, o Musée de la Romanité. O espaço abrigará 25 mil peças, entre elas cinco mil do acervo fixo.

VEJA TAMBÉM: Magnata da hotelaria abre museu pensado para posts no Instagram

O projeto do Musée de la Romanité, vencedor de um concurso organizado pela prefeitura da cidade, é assinado pela arquiteta brasileira Elisabeth de Portzamparc, radicada na França desde 1969. Ela também é a responsável pela museografia, pelo interior e pelos mobiliários do prédio de 9.100 metros quadrados de área total. O espaço de integração do museu conta ainda com um jardim arqueológico de 3.500 metros quadrados, projetado pelo paisagista Régis Guignard.

A proposta do prédio, construído no limite entre a cidade medieval e a moderna, é estabelecer um diálogo do projeto recém-inaugurado com a estrutura do entorno histórico, de arquitetura romana, como a Arena de Nimes, de 27 a.C, em frente ao local. O Musée de la Romanité traz uma linguagem de leveza e contemporaneidade, sem deixar de lado a tradição romana do mosaico, com o uso de 7 mil lâminas de vidro serigrafado na fachada do prédio.

As exposições do Musée de la Romanité foram divididas em três grandes períodos históricos: gaulês (pré-romano), romano e medieval. O acervo composto por fragmentos arquitetônicos, mosaicos, esculturas, cerâmicas, moedas, painéis e outros objetos recebem o reforço dos recursos museográficos propostos por Elisabeth: reconstituição digital, mapas, animações, linhas do tempo e realidade aumentada.

Para completar a experiência, o museu conta com jardim em um terraço que funciona como mirante para monumentos históricos da cidade. Além de auditório, café e livraria, o espaço receberá o restaurante La Table du 2, de cardápio assinado por Franck Putelar, duas estrelas no guia Michelin, pelo Le Parc, em Carcassonne.

  • Fachada do Musée de la Romanité possui sete mil lâminas de vidro em referência à tradição romana do mosaico.

  • Na divisa entre a cidade medieval e a contemporânea, o museu proporciona vista para a Arena de Nimes.

  • Assim como o projeto do espaço, o interior e o mobiliário do museu foram pensados pela arquiteta brasileira Elisabeth de Portzamparc.

  • Toda a museografia do museu também foi pensada pela arquiteta Elisabeth de Portzamparc, que propôs recursos de reconstituição digital, mapas, animações, linhas do tempo e realidade aumentada para completar a experiência histórica.

  • Dentre as 25 mil peças abrigadas pelo museu, cinco mil fazem parte do acervo permanente.

Fachada do Musée de la Romanité possui sete mil lâminas de vidro em referência à tradição romana do mosaico.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).