Novo aplicativo incentiva cyberbullying

Um novo aplicativo chegou à Apple Store. Segundo o site Mashable, o Burnbook, inspirado no filme “Meninas Malvadas”, já se tornou controverso e teve avaliações na loja on-line como essa: “Esse app foi criado para aumentar o cyberbullying, não há outra razão”.

O autor do comentário diz que o aplicativo se tornou popular na escola em que estuda e que está sendo usado para atacar um grupo pequeno de pessoas. “Gostaria de poder repetir as coisas cruéis postadas para poder provar meu ponto, mas não posso espalhar ainda mais essas coisas horríveis.”

As ameaças não param em cyberbullying. Depois de um estudante ameaçar pelo aplicativo que levaria uma arma para a escola, Jonathan Lucas, o CEO e criador do Burnbook, contou a NBC local que mudaria alguns aspectos do app.

“Mudamos uma parte do conteúdo. Em alguns casos, nós contatamos à polícia. Liberdade de expressão não é necessariamente liberdade de anonimato”, afirmou Lucas na entrevista. “Anonimato é um privilégio, não um direito. E, se há abuso desse privilégio, há consequências.”

Tais mudanças não serão aplicadas para os casos menos graves de bullying, que acontecem diariamente.

O aplicativo é gratuito para iOS e Androd e é preciso ter mais de 17 anos para usá-lo, mas a verificação de idade não é muito rigorosa. O aplicativo traz pesquisa por comunidades e escolas nos EUA.

O programa ainda sugere: “Piadas, micos, flagras, grandes revelações e confissões – tudo acontece no Burnbook. Juntos, podemos manter um segredo”.

O conceito de Burnbook (livro do arraso, em português) ficou popular com o filme “Meninas Malvadas”, no qual um pequeno grupo de garotas do colegial escreviam coisas horríveis sobre outras pessoas em um livro.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).