Pedido de desculpas de Zuckerberg não alivia pressão sobre ações do Facebook

Getty Images
Zuckerberg prometeu medidas mais rigorosas para restringir o acesso às informações dos usuário (Getty Images)

As ações do Facebook caíam 1,5% nas negociações pré-mercado de hoje (22), em Nova York, com o pedido de desculpas do presidente-executivo da rede social, Mark Zuckerberg, não conseguindo acalmar os nervos de Wall Street sobre como a empresa está lidando com a controvérsia sobre a privacidade dos usuários.

LEIA MAIS: Notícias sobre uso indevido de informações dos usuários derrubam ações do Facebook

Zuckerberg prometeu ontem (21) medidas mais rigorosas para restringir o acesso dos desenvolvedores às informações dos usuários, em sua primeira resposta às alegações de que a consultoria Cambridge Analytica acessou indevidamente dados para construir perfis dos eleitores norte-americanos utilizados na eleição presidencial de 2016.

Analistas de várias corretoras expressaram alívio por não haver sinais nos primeiros comentários públicos de Zuckerberg sobre a controvérsia de mudança mais fundamental no modelo de receita da empresa.

As ações do Facebook, no entanto, caíram em dois dos últimos três dias, reduzindo em quase US$ 46 bilhões o valor de mercado da empresa, e alguns analistas disseram estar claro que a rede social vai ter que arcar com custos extras para sustentar a sua reputação nos próximos meses. “Esperamos que os investidores mais cautelosos do FB apontem para o potencial da empresa de gastar mais este ano devido a essas medidas de segurança aumentadas, que vão conter o poder de gerar lucro”, disse Brian Nowak, do Morgan Stanley, em nota.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

O analista da Stifel, Scott Devitt, foi o quarto grande nome de Wall Street a reduzir seu preço-alvo para as ações do Facebook em US$ 27, para US$ 168, dizendo que a incerteza gerada pela disputa exige um desconto maior. “A situação atual do Facebook nos lembra o eBay em 2004 – um negócio de conteúdo não estruturado, baseado na confiança, que perdeu essa confiança antes de implementar políticas para adicionar estrutura e processo”, disse Devitt.

“Vamos comprar todas as nossas ações com recomendação de compra e muitas das nossas ações com classificação ‘manter’ antes de comprarmos ações do Facebook, dadas as informações disponíveis para nós”, acrescentou Devitt. Ele tem classificação ‘manter’ para o Facebook.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).