Acionistas da BRF apoiam Pedro Parente no conselho

Acionistas da BRF apoiam Pedro Parente no conselho (Agência Brasil)
A indicação de Pedro Parente impulsionou as ações da BRF hoje

Os principais acionistas da BRF apoiaram hoje (19) a indicação de Pedro Parente, presidente da Petrobras, para chefiar o conselho de administração da exportadora de carne de frango.

LEIA MAIS: Abilio Diniz propõe Pedro Parente para conselho da BRF

A indicação de Pedro Parente para BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, foi feita pelo empresário Abilio Diniz, atual presidente do conselho, que tem sofrido críticas nos últimos meses pela crise vivida pela companhia de alimentos. A BRF encerrou 2017 com prejuízo líquido de R$ 1 bilhão, enfrenta quadro de endividamento elevado e foi citada na operação Carne Fraca, da Polícia Federal.

A indicação de Parente, que também comanda o conselho de administração da operadora de bolsa B3, impulsionou as ações da BRF hoje, que fecharam em alta de 9,5%. Os papéis acumulam queda de cerca de 50% desde o início de 2017.

Parente afirmou em comunicado que renunciará à presidência do conselho da B3 se for eleito em assembleia de acionistas da BRF marcada para 26 de abril e que “não haverá qualquer mudança no exercício de sua função de presidente” da Petrobras.

Os principais acionistas da BRF, os fundos de pensão Petros e Previ e Tarpon Investimentos, este aliado de Diniz, enviaram comunicados à imprensa ressaltando qualidades de Parente para recuperar a produtora de alimentos processados.

VEJA TAMBÉM: Pedro Parente pode participar do conselho de outra empresa

A Petros, maior acionista individual da BRF com 11,4% de participação, disse que “acredita que o executivo [Pedro Parente] reúne competências e experiências que, indiscutivelmente, contribuirão para viabilizar a recuperação da companhia”. Já a Previ, que tem 10,7% do capital, afirmou que acredita que Parente “reúne as competências necessárias para imprimir novos rumos e viabilizar a recuperação da BRF e seu valor de mercado”.

Antes de comandar a Petrobras, nomeado pelo presidente Michel Temer, Parente foi presidente-executivo da unidade brasileira da operadora norte-americana de commodities Bunge, entre 2010 e 2014.

A BRF é presidida desde o fim do ano passado pelo executivo José Aurélio Drummond Jr., que substituiu Pedro Faria, uma indicação de Diniz e que era criticado por acionistas e chegou a ser preso pela PF na segunda etapa da operação Carne Fraca.

No início desta semana, três fontes com conhecimento direto do assunto afirmaram à Reuters que o primeiro escalão da BRF deve ser mantido no cargo dado o entendimento de grandes acionistas de que as mudanças mais necessárias na empresa são de estratégia.

E TAMBÉM: Principais executivos da BRF devem ser mantidos

Diniz afirmou em comunicado de seu veículo de investimentos, Península Participações, que a indicação de Parente veio em meio à “busca de um nome de consenso entre os principais acionistas da BRF”.

PAZ ADIANTE?

O aparente consenso entre os maiores acionistas da empresa pode aliviar o receio de investidores de um racha na nova composição do conselho de administração.

Até agora, tentativas de se formar uma chapa unificada de nomes fracassaram, o que motivou a gestora Aberdeen a sugerir a adoção do voto múltiplo, sistema que dá aos investidores poder de voto proporcional ao número de assentos no conselho.

Em nota a clientes, o analista Antonio Barreto, do Itaú BBA, afirmou que a indicação de Parente é positiva pois envia uma mensagem de uma “normalização mais rápida e uma solução mais pacífica para o conflito entre os principais acionistas em torno de um nome consensual”.

O analista citou ainda que a indicação de Parente “aumenta a probabilidade de que a atual gestão da BRF vai permanecer. Um conselho mais unido apoiando a gestão é fundamental em um momento de crise”.

E TAMBÉM: Petrobras tem novo prejuízo anual, mas vê futuro mais previsível

Barreto citou que tem como cenário uma provável decisão da União Europeia no sentido de proibir importações das 12 fábricas da BRF no Brasil autorizadas atualmente a exportar para o bloco de países, apesar da liberação de fábricas da empresa pelo Ministério da Agricultura ocorrida mais cedo.

“Qualquer solução que aumente a chance de não vermos uma nova mudança de gestão na companhia agora é positiva uma vez que gostamos da direção estratégica tomada”, acrescentou o analista do Itaú BBA.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).