Energisa faz oferta de R$ 3,24 bilhões para comprar a Eletropaulo

A compra da totalidade da Eletropaulo vai envolver desembolso máximo de R$ 3,24 bilhões

A companhia de energia elétrica Energisa anunciou ontem (5) oferta para comprar a Eletropaulo, com preço por ação de R$ 19,38.

LEIA MAIS: Eletropaulo planeja investir R$ 3,97 bilhões no período 2017-2021

Segundo a Energisa, a compra da totalidade da Eletropaulo vai envolver desembolso máximo de R$ 3,24 bilhões. A Energisa afirmou que contratou linha de crédito de junto ao Citibank para financiar a oferta. A operação prevê um aumento de capital de R$ 1 bilhão na distribuidora paulista de eletricidade.

As ações da Eletropaulo encerraram nesta quinta-feira em alta de 4,84%, a R$ 19,27. Os papéis não fazem parte do Ibovespa, que teve alta de 1%. O valor proposto pela Energisa representa um prêmio de 0,6% sobre o fechamento desta quinta-feira. A unit da Energisa fechou esta quinta-feira em queda de 1,01%.

A proposta da Energisa está condicionada à adesão dos acionistas da Eletropaulo titulares de pelo menos 83.671.944 ações da empresa, suficiente para dar à Energisa controle majoritário sobre a distribuidora paulista.

A Energisa é o sexto maior grupo distribuidor de energia do país em consumo de energia, atendendo cerca de 6,7 milhões de consumidores em nove Estados brasileiros. A companhia controla atualmente nove distribuidoras localizadas em Minas Gerais, Sergipe, Paraíba, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, São Paulo e Paraná, que mantêm contratos de concessão que vencem entre 2020 e 2045.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

A Eletropaulo é a maior distribuidora do país em volume de energia, atendendo 20 milhões de consumidores em 24 cidades. Em 2017, a companhia teve prejuízo líquido de R$ 844 milhões, após resultado positivo de 21 milhões em 2016. O valor de mercado da Eletropaulo na quarta-feira era R$ 3,075 bilhões ante R$ 12,7 bilhões da Energisa.

Os principais acionistas da Eletropaulo incluem BNDESPar, 18,7% das ações, e o grupo norte-americano AES, com 16,8% dos papéis. O governo federal tem outros 8% dos papéis.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).