Lucro da GE supera expectativas no 1º tri

O lucro é reflexo de crescimento de 7% na receita e corte de custos

A General Electric divulgou resultado trimestral acima do esperado hoje (20), conforme os lucros com os segmentos de aviação, saúde e transporte compensaram um desempenho mais fraco em energia e óleo e gás, impulsionando acentuadamente as ações da companhia.

LEIA MAIS: General Electric tem prejuízo de US$ 10 bi e queda de receita no 4º tri

A GE reiterou a meta para o lucro e o fluxo de caixa em 2018, e informou que prevê registrar até US$ 10 bilhões em receitas com desinvestimento de ativos industriais este ano. Os comentários aliviaram preocupações de que a GE amargaria fracos resultados.

A companhia teve lucro ajustado de US$ 0,16 por ação, ante US$ 0,14 por ação de um ano atrás. Analistas previam, em média, US$ 0,11 por ação, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S. Sem considerar ajustes, a GE lucrou US$ 369 milhões no primeiro trimestre, ou US$ 0,04 por ação, e receita de US$ 28,7 bilhões.

O resultado da empresa refletiu um crescimento de 7% da receita e vigorosos esforços para corte de custos. O faturamento da GE cresceu em aviação, óleo e gás e saúde, compensando quedas em energia, transporte, luz e energia renovável.

A companhia ainda reduziu US$ 1 bilhão em custos, incluindo US$ 800 milhões em despesas estruturais industriais.

As ações da GE subiram 3,8% ontem (19), para US$ 14,52. Ainda assim, os papéis perderam mais de 50% de valor no último ano.

LEIA TAMBÉM: GE planeja cortar 4.500 empregos na Europa, diz fonte

Analistas esperavam que o lucro da GE recuasse no primeiro trimestre e alguns achavam que os resultados de hoje viriam aquém das expectativas já revisadas para baixo. Mas os setores de aviação, transporte e saúde tiveram crescimento de dois dígitos no trimestre, impulsionando o resultado como um todo.

Em energia, contudo, o lucro da GE caiu 38% no período, afetado por um declínio de 9% nas vendas e de 29% nas encomendas.

O segmento de óleo e gás lucrou 30% no trimestre, excluindo custos de reestruturação e outras despesas, segundo a GE.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).