Lucro da Monsanto fica abaixo do esperado

As vendas do negócio de milho caíram 6,2%, para US$ 2,72 bilhões

A Monsanto reportou hoje um lucro menor do que o esperado pelo segundo trimestre consecutivo. A companhia relatou que seus negócios de milho se enfraqueceram conforme produtores norte-americanos plantaram menos acres nesta primavera (no Hemisfério Norte), ao mesmo tempo em que os preços baixos continuaram a pesar sobre o setor.

LEIA MAIS: Bayer recebe aval da UE para compra da Monsanto por US$ 62,5 bi

A Monsanto, em processo de aquisição pela alemã Bayer, apresentou resultados aquém das estimativas de analistas.

O baixo desempenho nos negócios de milho também foi ocasionado por questões climáticas, já que uma primavera tardia nos Estados Unidos atrasou as remessas de sementes, disse o analista Jonas Oxgaard, da Bernstein.

“Não tem sido uma primavera normal, e, por causa disso, acho que podemos ver agricultores tentando mudar alguns de seus acres de milho para soja, já que o plantio de soja ocorre um mês depois”, afirmou.

As vendas do negócio de milho caíram 6,2%, para US$ 2,72 bilhões, no segundo trimestre encerrado em 28 de fevereiro. As vendas de soja subiram 6%, para US$ 912 milhões, informou a maior empresa de sementes do mundo.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

A empresa afirmou que a demanda por sua soja Intacta na América do Sul continua forte, assim como pela Roundup Ready 2 Xtend nos Estados Unidos. A companhia também reportou precificação melhor para o herbicida glifosato.

A Monsanto disse, ainda, estar “otimista” quanto ao acordo com a Bayer, acrescentando que as companhias têm visto “progresso sólido”.

O lucro líquido atribuível à Monsanto subiu para US$ 1,46 bilhão, ou US$ 3,27 por ação, ante US$ 1,37 bilhão, ou US$ 3,09 por ação de um ano antes.

Em bases ajustadas, a companhia lucrou US$ 3,22 por ação, ficando US$ 0,08 abaixo da expectativa média de analistas.

As vendas líquidas caíram de US$ 5,07 bilhões para US$ 5,02 bilhões.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).