Presidente da Nintendo deixa o cargo

Shuntaro Furukawa tem como missão expandir o ímpeto pelo Switch

A empresa japonesa Nintendo anunciou hoje (26) um novo presidente e afirmou que espera que o lucro anual atinja o nível mais alto em nove anos, já que o console Switch mantém o ritmo de vendas em seu segundo ano.

O sucesso inicial do Switch impulsionou as vendas de software de jogos da Nintendo e encorajou mais produtoras a criar jogos para o console híbrido de mesa e portátil, em um ciclo que os analistas esperam que continue impulsionando as vendas do equipamento.

LEIA MAIS: Nintendo dobra previsão de lucro com fortes vendas do console Switch

A forte demanda alimentou as esperanças dos investidores de que o Switch repetisse o sucesso do primeiro console Wii da Nintendo, levando o preço das ações da empresa, no início de 2018, a dobrar para níveis recordes em nove anos.

A empresa de Kyoto disse que nomeou Shuntaro Furukawa – um executivo de 46 anos, responsável pelo marketing global e planejamento corporativo – como presidente efetivo para rejuvenescer diretoria. “Minha maior prioridade é manter e expandir o ímpeto do Switch”, disse Furukawa ao comentar os resultados trimestrais.

Tatsumi Kimishima – um ex-banqueiro de 68 anos que assumiu o cargo após a morte do antecessor Satoru Iwata, em 2015 – decidiu deixar o cargo, já que está “perto de cumprir as responsabilidades” de reviver a empresa, disse ele na conferência.

A Nintendo estimou que o lucro operacional para o ano até março subirá 26,7% em relação ao ano anterior, para 225 bilhões de ienes (US$ 2,06 bilhões). Se alcançado, seria o maior lucro da Nintendo desde o ano encerrado em março de 2010.

A Nintendo informou que pretende vender 20 milhões de consoles Switch no ano fiscal iniciado em abril, confirmando sua previsão anterior feita em janeiro.

As vendas do console atingiram 15 milhões de unidades no ano encerrado em março, elevando o total acumulado para 17,8 unidades desde seu lançamento global em março do ano passado.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).