YouTube exclui 5 milhões de vídeos por violação

Plataforma dá resposta à pressão para melhorar o policiamento online

O YouTube, do Google, excluiu cerca de 5 milhões de vídeos de sua plataforma por violações da política de conteúdo no quarto trimestre antes de qualquer visualização, informou a empresa em relatório que destacou sua resposta à pressão para melhorar o policiamento da comunidade online.

LEIA MAIS:Mais de 100 vídeos do YouTube ultrapassaram a marca de 1 bilhão de visualizações

O Youtube tem sido criticada por governos que a acusam de não fazer o suficiente para remover conteúdo extremista, e por anunciantes, como a P&G e a Under Armour, que boicotaram brevemente o serviço quando seus anúncios foram, involuntariamente, publicados ao lado de vídeos considerados inadequados pelas empresas.

O YouTube afirmou no relatório de ontem (23) que a aplicação automatizada por meio do software “está valendo a pena” no que diz respeito à agilidade das remoções. A empresa informou que não possui dados comparáveis ​​de trimestres anteriores.

Ainda segundo a plataforma, seria necessária uma equipe interna de humanos para verificar as descobertas automatizadas em mais 1,6 milhão de vídeos que foram removidos depois que somente alguns usuários visualizaram.

O sistema automatizado não identificou outros 1,6 milhão de vídeos que o YouTube desativou depois que foram denunciados por usuários, organizações ativistas e governos.

“Eles ainda têm muito trabalho a fazer, mas devem ser elogiados nesse período”, afirmou Paul Barrett, que tem observado o YouTube como vice-diretor do Centro Stern de Empresas e Direitos Humanos da Universidade de Nova York.

LEIA MAIS: Brasileiro tem um dos 10 canais de Youtube mais seguidos do mundo

O Facebook também informou hoje (24) que removeu ou colocou um selo de advertência em 1,9 milhão de conteúdos extremistas relacionados ao Estado Islâmico ou a al-Qaeda nos primeiros três meses do ano, ou quase o dobro do número do trimestre anterior.

Corrigir vídeos problemáticos, seja por meio de seres humanos ou máquinas, poderia ajudar o YouTube, um dos principais geradores de receita do Google, a impedir a regulamentação e garantir o sucesso de vendas. Por enquanto, os analistas dizem que a demanda por anúncios na plataforma continua robusta.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).