Ações da Avon caem depois da divulgação de balanço

Número de representantes ativos teve a maior queda desde o início de 2015

As ações da fabricante de cosméticos Avon caíam 10% hoje (3), depois que a empresa reportou dados do primeiro trimestre, com o número de representantes de venda direta registrando a maior queda em, pelo menos, três anos.

LEIA MAIS: Máquina para lavar pincéis de maquiagem custará R$ 473

O número de representantes ativos da Avon caiu 4% no primeiro trimestre, a maior desde o início de 2015.

A receita do primeiro trimestre subiu 5%, para US$ 1,39 bilhão, acima da estimativa do mercado, de US$ 1,35 bilhão, segundo a Thomson Reuters I/B/E/S.

No Brasil, as receitas da empresa caíram 4% na comparação anual, impactadas pela diminuição no número de representantes ativos, assim como pela encomenda média menor.

O prejuízo atribuível à empresa caiu para US$ 20,3 milhões no trimestre, ante US$ 36,5 milhões de um ano antes. Excluindo itens não recorrentes, a Avon teve prejuízo de US$ 0,02 por ação, em linha com as expectativas de Wall Street.

“Estou tão convencido como sempre do potencial do negócio, mas é justo dizer que, obviamente, ele não está com bom desempenho”, disse o presidente-executivo, Jan Zijderveld, em entrevista.

LEIAM MAIS: Maquiador de Gigi Hadid revela dicas de beleza durante viagens de avião

A Avon precisa de uma estratégia clara para seu futuro, além de melhorar capacidades de marketing e de investir em seus representantes de vendas, acrescentou Zijderveld.

A empresa sediada em Londres contratou Zijderveld em fevereiro para ajudar a retomada da famosa marca de cosméticos após pressão de investidores ativos, como o Barington Capital, que culpou a incapacidade da ex-presidente-executiva Sheri McCoy de conter prejuízos nos cinco anos em que ficou à frente da Avon, conforme a empresa perdeu clientes para empresas maiores como Estée Lauder e varejistas como Sephora, da LVMH.

As vendas na América Latina, o maior mercado da Avon, foram prejudicadas pela instabilidade econômica e política e o número de representantes ativos na região caiu 6%.

Entretanto, a região da Europa, Oriente Médio e África registrou alta de 12% nas vendas.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).