Almundo prevê investir até US$ 40 mi no Brasil

Objetivo é chegar em 2020 com faturamento de US$ 300 milhões no país

A plataforma de viagens Almundo planeja investir até US$ 40 milhões para a execução de seu plano de negócios no Brasil, que tem como alvo chegar a 2020 com faturamento de cerca de US$ 300 milhões.

LEIA MAIS: Sterlite pretende quadruplicar investimento no Brasil

A empresa iniciou as operações no país em fevereiro e prevê encerrar 2018 com faturamento acima de US$ 45 milhões, montante que deve subir para cerca de US$ 130 milhões em 2019 e mais que dobrar em 2020.

“Os dois primeiros meses foram de soft launch, no processo de estruturar todas as campanhas, estabilizar plataforma… Em maio as vendas já devem superar US$ 3 milhões, o que é um número forte para uma agência que não tem uma marca conhecida no país”, disse o presidente da Almundo no Brasil, Luciano Barreto, acrescentando que a perspectiva é que nos últimos meses do ano a empresa registre vendas na faixa de US$ 10 milhões por mês.

Do total de investimento previsto no país, US$ 15 milhões devem ser alocados este ano, o primeiro de atuação da empresa.

O Brasil é o quarto país de atuação da Almondo – atrás de Argentina, México e Colômbia – e a alta do dólar não foi suficiente para afetar os planos de crescimento da empresa no país, que conta com uma equipe de 65 funcionários na operação local. “O movimento da alta do dólar não é exclusivo do Brasil… Nosso compromisso é de longo prazo. É uma companhia que está preparada para enfrentar esses momentos de desafio que podem aparecer no caminho”, diz Barreto.

Segundo o executivo, para amenizar os impactos da valorização da moeda norte-americana, o que pode diminuir a procura por viagens internacionais, a Almundo vem buscando intensificar as ações comerciais com seus parceiros de negócios, adotando, inclusive, margens menores para possibilitar preços mais competitivos para os clientes.

LEIA MAIS: O que fazer e o que não fazer ao buscar investimento

A vinda para o Brasil este ano acontece em meio ao início do processo de retomada da economia, o que ajudou na decisão de entrar no mercado, além de o país ser considerado estratégico pela empresa para o crescimento na região.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).