Amazon lança casas-modelo para testar Alexa

Consumidores poderão ver a assistente virtual apagar a luz e ligar a TV

A Amazon.com anunciou hoje (9) que montou modelos de casas “inteligentes” nos Estados Unidos. O objetivo é que os consumidores tenham a chance de experimentar como a ajudante de voz Alexa pode apagar as luzes, ligar a TV ou encomendar mais sabão em pó.

LEIA MAIS: Por que o Alibaba é mais lucrativo do que a Amazon

O lançamento mostra como a Amazon pretende tornar a Alexa e a crescente lista de serviços da empresa, desde compras e entretenimento até segurança doméstica, parte da vida cotidiana dos consumidores. Além disso, também intensifica a competição com varejistas como Best Buy, que focam na apresentação de tecnologia e aconselhamento de compradores.

Maior varejista online do mundo, a Amazon disse que fez uma parceria com a Lennar para converter algumas casas-modelo da empresa de construção residencial em showrooms da Alexa. Os chamados “Centros de Experiência da Amazon” estão agora abertos em cerca de 15 cidades, incluindo Los Angeles, Dallas e Washington, com mais por vir.

“Hoje, as opções dos clientes são: ir a uma loja física e ver dispositivos em demonstração ou ficar online e fazer sua própria pesquisa. Mas é fundamental imaginar o que seria uma casa integrada”, diz Nish Lathia, gerente-geral da Amazon Services, no centro de experiência em Vallejo, Califórnia.

David Kaiserman, presidente da Lennar Ventures, disse que os centros devem aumentar o tráfego para as casas-modelo da Lennar e estimular ideias para potenciais compradores de imóveis residenciais. A Lennar receberá uma comissão pelas vendas da Amazon para os clientes que ajudar a conquistar.

Espera-se que o mercado global de casas inteligentes atinja estimados US$ 107,4 bilhões até 2023, segundo a empresa de pesquisa de mercado ReportLinker.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).