Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, tem prejuízo líquido de US$ 1,14 bilhão

Getty Images
Analistas, em média, esperavam lucro operacional de cerca de US$ 3,116 por ação Classe A

A Berkshire Hathaway encerrou hoje (5) mais de um ano de queda no lucro operacional, enquanto uma nova regra contábil fez com que o conglomerado comandado por Warren Buffett sofresse um prejuízo líquido.

VEJA TAMBÉM: Reforma tributária de Trump impulsiona ganhos recordes da Berkshire, de Warren Buffett

Os resultados foram divulgados no mesmo dia em que a Berkshire realiza sua reunião anual em Omaha, Nebraska, onde Buffett, de 87 anos, e o vice-presidente Charlie Munger, de 94, responderão a cinco horas de perguntas de acionistas, jornalistas e analistas.

O lucro operacional subiu 49%, para US$ 5,29 bilhões, ou cerca de US$ 3,215 por ação Classe A, ante US$ 3,56 bilhões, ou US$ 2,163 por ação, um ano antes, informou a Berkshire.

O prejuízo líquido foi de US$ 1,14 bilhão, ou US$ 692 por ação, em comparação ao lucro líquido de US$ 4,06 bilhões, ou US$ 2,469 por ação no ano anterior.

Analistas, em média, esperavam lucro operacional de cerca de US$ 3,116 por ação Classe A, de acordo com a Thomson Reuters.

LEIA: Berkshire Hathaway eleva investimento na Apple e na farmacêutica israelense Teva

O lucro operacional dos mais de 90 negócios da Berkshire havia caído por cinco trimestres consecutivos, em grande parte devido ao desempenho decepcionante da área de seguros, incluindo perdas ligadas a furacões.

O resultado divulgado hoje também encerrou um período de oito meses em que os resultados operacionais ficaram aquém das previsões de Wall Street.

A mudança contábil exigiu que a Berkshire reportasse perdas não realizadas de US$ 6,2 bilhões em sua carteira de ações negociáveis, que totalizavam US$ 170,5 bilhões no final do ano, independentemente de se a empresa planejava vender essas ações.

Buffett chamou a nova regra de “pesadelo” que produziria “oscilações realmente selvagens e caprichosas” nos resultados financeiros que, dependendo da direção, poderiam assustar ou estimular desnecessariamente os investidores.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).