BRF reduz prejuízo para R$ 114 mi no 1º trimestre

iStock
A receita líquida da BRF subiu 5% na comparação anual, para R$ 8,2 bilhões

A BRF teve prejuízo líquido de R$ 114 milhões no primeiro trimestre, queda ante o resultado negativo de R$ 286 milhões registrado um ano antes, apesar do aumento no preço do milho no período, impactos de operação Trapaça, da Polícia Federal, em março, e redução dos preços de produtos no Brasil.

LEIA MAIS: Novo conselho da BRF tem autonomia para propor soluções

A BRF teve geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 783 milhões, um crescimento de 54,8% sobre o fraco desempenho de um ano antes.

Segundo a companhia, o impacto da operação Trapaça no Ebitda do trimestre foi de R$ 13 milhões, ante R$ 40 milhões gerados no ano passado pela operação Carne Fraca.

A receita líquida subiu 5% na comparação anual, para R$ 8,2 bilhões, mas o preço médio dos produtos recuou 0,7%, reduzindo o efeito de crescimento de 5,7% no volume vendido.

A BRF afirmou no balanço que apesar da alta dos grãos ter ocorrido no primeiro trimestre, o impacto no custo da ração dos animais que abate “será mais evidente a partir do segundo trimestre, dada a inércia proveniente do ciclo de vida do animal e dos estoques na cadeia”.

VEJA TAMBÉM: Governo suspende temporariamente exportações da BRF de carne de aves para a Europa

Diante de dificuldades de exportação de carne de frango para a Europa, a BRF elevou em 9,6% as vendas em volumes no Brasil no primeiro trimestre, com destaque para uma expansão de 25,3% na comercialização de carne de frango in natura. Em processados, produtos com margens maiores, houve aumento de 4,7% nos volumes vendidos no Brasil.

Porém, o preço médio dos produtos da empresa vendidos no país caiu 6,5% no primeiro trimestre sobre um ano antes, para R$ 6,87 por quilo. A margem bruta recuou de 25,8 para 20,8%, pressionada por ociosidade de instalações produtivas e vendas maiores de carne in natura.

Com o aumento das vendas em volume, a participação consolidada de mercado da empresa no Brasil subiu 1,1 ponto percentual sobre o primeiro trimestre de 2017, para 45,7% ao fim de março. A BRF, que é dona das marcas Sadia e Perdigão, afirmou que o crescimento ocorreu puxado pela iniciativa de ampliar a oferta no segmento de atacarejo, onde a empresa já atua com uma terceira marca desde o início deste ano.

Na divisão OneFoods, que vende alimentos para público muçulmano, houve alta de 25% nas vendas em volume no primeiro trimestre, com o preço médio avançando 11,6% e a margem bruta ganhando 4,5%. Porém, a empresa perdeu cerca de 4% em sua participação de mercado nos países do Golfo devido a “competidores mais agressivos em preço”.

E TAMBÉM: BRF vai dar férias coletivas a mais 3,5 mil funcionários no Brasil

Na Europa, as vendas em volume despencaram 57%, para 45 mil toneladas nos três primeiros meses deste ano. Por outro lado, o preço médio da companhia disparou quase 40%.

“Os maiores entraves na sub-região da Europa, junto ao embargo russo das exportações brasileiras de suínos, continuaram impactando a indústria frigorífica, justificando, portanto, a queda de 56,9% de nossos volumes”, afirmou a BRF no balanço.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).