Centro-sul pode parar toda moagem de cana

iStock
340 unidades podem suspender as atividades até quinta-feira (31) caso as manifestações persistam

Ao menos 220 usinas de cana-de-açúcar estão paradas em todo o centro-sul do Brasil em decorrência dos protestos de caminhoneiros, disse ontem (28) o Fórum Nacional Sucroenergético, alertando que todas as 340 unidades podem suspender as atividades até quinta-feira (31) caso as manifestações persistam.

LEIA MAIS: 11 greves que mudaram os rumos da história

“O motivo da paralisação é a falta de óleo diesel, utilizado na colheita, plantio e irrigação da cana, e de outros insumos, principalmente produtos químicos como cal, ácido sulfúrico, entre outros”, destacou o Fórum, principal entidade nacional do setor sucroenergético.

Conforme o Fórum, o centro-sul é responsável por 94% da produção de etanol no país, e a perda de receita estimada já é de R$ 300 milhões ao dia.

“Nesses dias, as usinas estão deixando de produzir mais de 250 mil toneladas de açúcar e 300 milhões de litros de etanol por dia. Estamos em plena safra e as distribuidoras não conseguem tirar os produtos para entrega nos postos para o abastecimento”.

A entidade alerta para o risco de o setor ter dificuldades em pagar salários, de o governo arrecadar menos e de haver menos bagaço para cogeração de energia.

VEJA TAMBÉM: Greve dos caminhoneiros gera prejuízo ao agronegócio

Mais cedo, consultorias e a própria União da Indústria de Cana-de-açúcar afirmaram que a moagem de cana no centro-sul na segunda quinzena de maio poderá ser 10 milhões de toneladas menor na comparação anual, enquanto todas as usinas de São Paulo tendem a parar já hoje (29).

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).