Correios tem lucro de R$ 667 mi em 2017

Ministro Gilberto Kassab afasta discussão sobre privatização

Os Correios tiveram lucro de R$ 667 milhões em 2017, revertendo prejuízo de R$ 1,48 bilhão em 2016, um desempenho que, para o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afasta as discussões sobre a privatização da estatal.

LEIA MAIS: Via Varejo expande parceria com Correios

“Dois anos atrás, no começo da nossa gestão, era praticamente certo o início de um processo de privatização dos Correios. Com o tempo, nós mostramos que a empresa pode ser saudável”, disse o ministro, acrescentando que vê um caminho de crescimento à frente para a companhia.

O resultado foi o primeiro positivo para a estatal desde 2013, e mostra a “superação da grave crise apresentada nos últimos anos”, disse a empresa em comunicado, creditando o desempenho à revisão dos contratos e do custeio do plano de saúde, racionalização de despesas com pessoal e otimização da rede de atendimentos.

Os números foram apresentados pelo presidente da empresa, Carlos Fortner, e pelo ministro Gilberto Kassab em audiência na Câmara dos Deputados hoje (9).

Questionado sobre o possível fechamento de agências e demissão de funcionários, o presidente da estatal afirmou que há um projeto de redesenho das unidades de atendimento, que pode envolver demissões e/ou fechamento de agências até 2022.

Contudo, o plano não tem data para ser lançado e no processo a empresa deve ganhar 2 mil pontos de atendimento, disse.

LEIA MAIS: Azul vai criar empresa de logística em parceria com Correios

Apesar do resultado positivo, Fortner acredita que a capacidade de investimento da estatal somente será recuperado dentro de dois ou três anos. “Eu não tenho mais capacidade de investimento hoje, mas eu estou recuperando. A virada foi dada”, afirmou.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).