Demanda por voos domésticos sobe 1,91% em março

Oferta de assentos subiu 0,5% no mês passado e 2,2% no trimestre

A demanda por voos domésticos no Brasil subiu 1,91% em março ante mesmo mês de 2017 e fechou o primeiro trimestre com alta acumulada de 3,4% na comparação anual, afirmou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) hoje (3).

LEIA MAIS: Demanda por voos da Azul cresce 10% em março

A oferta de assentos pelas companhias aéreas para voos domésticos subiu 0,5% em março e 2,2% no trimestre.

A taxa de ocupação nos voos domésticos foi de 80,1% em março, melhor resultado para o mês da série histórica, que começou em 2000. No trimestre, a taxa de aproveitamento foi de 81,9%.

De janeiro a março, foram transportados 23 milhões de passageiros pagos em voos domésticos, alta de 2,2% contra um ano antes. Em março as companhias transportaram 7,5 milhões de passageiros pagos, 0,5% maior do que no mesmo mês de 2017.

A Gol liderou a participação de mercado no trimestre, com 36,2% da demanda por voos domésticos. Na sequência vieram Latam (31,7%), Azul (18,1%) e Avianca Brasil (13,6%).

MERCADO INTERNACIONAL

A demanda internacional das empresas brasileiras em março subiu 15,6% na comparação anual, enquanto a oferta avançou 18,3% na mesma base de comparação.

LEIA MAIS: Azul fecha parceria com francesa Aigle Azur e vai oferecer voos para Paris

De janeiro a março, a demanda cresceu 16,2%, enquanto a oferta aumentou 18,8% na comparação anual.

Foram transportados 2,5 milhões de passageiros pagos em voos internacionais no primeiro trimestre. Em março foram 779 mil passageiros transportados, alta de 16,3% ano a ano.

A taxa de aproveitamento de assentos nos voos internacionais em março foi de 82,1%, queda de 2,3% ante igual mês de 2017. No trimestre, a taxa de ocupação foi de 83,6%, abaixo dos 85,5% de um ano antes.

A participação de mercado na demanda por voos internacionais no acumulado de janeiro a março teve Latam na liderança, com 67,6%, seguida por Azul (14,4%), Gol (12,2%) e Avianca (5,8%)

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).