Deutsche Bank corta pelo menos 7 mil empregos

Medida busca reduzir custos, aumentar lucro e acalmar investidores

O Deutsche Bank está cortando mais de 7 mil empregos para reduzir custos e voltar a ter lucro, enquanto mantém seu alcance internacional e seu novo presidente-executivo busca tranquilizar investidores e clientes.

LEIA MAIS: CEO do Deutsche Bank América Latina pretende deixar o cargo

O Deutsche Bank informou que o número global de funcionários cairia de 97 mil para 90 mil, com um corte de 25% nas vagas em trading e vendas de ações, principalmente em Nova York e Londres, onde vem perdendo terreno para rivais norte-americanos.

A entidade não forneceu um número específico, mas uma pessoa com conhecimento do assunto disse à Reuters antes da assembleia-geral anual da instituição, hoje (24), que o banco pretende cortar 10 mil postos de trabalho.

Christian Sewing, que se tornou presidente-executivo em uma mudança repentina no mês passado, afirmou que o banco está comprometido com sua presença internacional, reiterando o plano de reduzir o banco de investimento global e focar na Europa e em seu mercado doméstico após três anos consecutivos de prejuízos. “Continuamos comprometidos com nosso banco corporativo e de investimentos e com nossa presença internacional – somos inabaláveis nisso”, disse Sewing, reconhecendo um ambiente de receita “desafiador”.

O Deutsche Bank já demitiu 600 empregados do banco de investimento nas últimas sete semanas e cortará os gastos no segmento em € 1 bilhão até o final de 2019.

Há muito tempo, a instituição tem sido uma referência na concessão de empréstimos e consultoria para empresas alemãs que buscam expandir-se no exterior ou levantar recursos por meio dos mercados de bônus ou ações, um papel que teve o apoio tácito de sucessivos governos em Berlim.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).