Hong Kong se prepara para mais um IPO

Operação da China Tower pode ser a segunda a arrecadar US$ 10 bi este ano

A China Tower, maior operadora mundial de torres de telefonia móvel, pediu registro para listar suas ações em Hong Kong, no que pode ser o segundo IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) de US$ 10 bilhões este ano naquele mercado.

LEIA MAIS: Bunge contrata bancos para IPO no Brasil

A empresa, criada em 2014 a partir das operações de torres de três provedores estatais chineses de telefonia, fez o pedido pouco mais de uma semana após a fabricante chinesa de smartphone Xiaomi pedir registro para IPO que pode também levantar até US$ 10 bilhões.

Esta poder ser a primeira vez que a cidade recebe duas mega ofertas desde 2010, quando a seguradora AIA e o Agricultural Bank of China captaram US$ 20 bilhões e US$ 22 bilhões, respectivamente.

A expectativa é que a China Tower busque um valor de até US$ 40 bilhões, segundo fontes com conhecimento dos planos.

O tamanho final das duas ofertas vai depender do humor do mercado e do apetite do investidor. A Xiaomi deve emitir suas ações em julho, enquanto a China Tower busca sua oferta logo após o verão (na China), disseram as fontes.

O IPO da China Tower é liderado pelo China International Capital (CICC) e pelo Goldman Sachs.

LEIA MAIS: Arco Educação planeja IPO em Nova York

A empresa operava 1,9 milhão de torres no fim de 2017. Sua receita operacional subiu quase 23% no ano, para 68,7 bilhões de iuanes (US$ 10,8 bilhões), enquanto o lucro subiu mais de 25 vezes, para 1,9 bilhão de iuanes.

Inicialmente, a expectativa era que o IPO fosse lançado no início deste ano, mas foi adiado, segundo fontes, pelas dificuldades de obter todas as aprovações de reguladores, assim como dos três principais proprietários da empresa: China Mobile, China Telecom e China Unicom.

As três combinaram suas torres em uma tentativa de agilizar operações e reduzir a duplicação. Naquele momento, a China Mobile tinha 38%, China Unicom, 28,1% e a China Telecom, 27,9%. A China Reform Holding, gestora estatal de ativos, ficou com os 6% restantes.

As norte-americanas American Tower e Crown Castle International são negociadas em cerca de 54 vezes e 111 vezes os lucros do ano passado, respectivamente, de acordo com dados da Thomson Reuters.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).