Indústria de café do Brasil perde R$ 70 mi por dia

Greve dos caminhoneiros impede chegada dos grãos às torrefadoras

A indústria de café do Brasil, maior produtor e exportador mundial, está perdendo até R$ 70 milhões por dia em decorrência dos protestos de caminhoneiros, disse à Reuters hoje (29) um representante do setor, em meio à menor disponibilidade da commodity.

LEIA MAIS: Brasil deve bater recorde na produção de café

As manifestações estão no nono dia, provocando desabastecimento de combustíveis, alimentos e outros produtos em grande parte do país. Tais protestos têm impedido, também, o transporte do café em grão até as torrefadoras ou aos portos, bem como o escoamento do produto industrializado.

“O café está passando por um momento muito difícil, pois as empresas em geral nesta semana têm declarado que estão com a produção parada”, afirmou o diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Nathan Herszkowicz. “O setor industrial compra café todo dia. Existe circulação de matéria-prima todos os dias, mas essa atividade está parada com os protestos. A consequência para a indústria é falta de matéria-prima e isso vira interrupção de produção.”

O mais recente Índice de Oferta de Café para a Indústria (IOCI), divulgado hoje pela Abic e referente à semana passada, mostra que a disponibilidade do produto voltou a ficar seletiva, ou seja, não há oferta regular para as empresas.

Em abril, a disponibilidade de café para a indústria foi considerada normal pela primeira vez em mais de um ano.

Conforme Herszkowicz, a “situação inusitada, nunca vista na história do café”, agravou-se a partir de quinta-feira (24), gerando perdas de “R$ 60 milhões a R$ 70 milhões por dia” em cafés que deixam de ser exportados ou comercializados no varejo brasileiro.

LEIA MAIS: Coco Safar trilha novo caminho para o café gourmet

A Abic conta em seu quadro com cerca de 1.300 indústrias de café no Brasil.

Os protestos dos caminhoneiros ocorrem às vésperas do início de uma safra que promete ser recorde no Brasil. Graças à bienalidade positiva do arábica, o país deve produzir cerca de 58 milhões de sacas neste ano, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Como resultado, a expectativa também é de que o Brasil recupere neste ano suas exportações.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).