Kroton espera queda em competição no 2º semestre

Ações da empresa caíram quase 10% depois da divulgação dos resultados

O presidente da Kroton, Rodrigo Galindo, afirmou hoje (11) que espera uma redução no nível de intensidade da competição no segundo semestre no setor de educação superior privada no país.

LEIS MAIS: Kroton tem lucro líquido ajustado de R$ 539 milhões no 1º tri

A Kroton conseguiu reduzir taxas de evasão de alunos no primeiro trimestre, na comparação com o mesmo período do ano passado, e Galindo afirmou, durante teleconferência com analistas, que a empresa ainda não implementou todos os projetos de retenção de estudantes previstos em seu plano de crescimento.

As ações da Kroton lideraram as quedas do Ibovespa por volta das 13h, recuando 9,73% depois que a empresa divulgou estimativas de resultados para este ano menores do que em 2017. Além das projeções de resultado menor, a empresa divulgou lucro líquido de R$ 539 milhões para o primeiro trimestre, queda de 6,6% sobre um ano antes.

Sobre as projeções, Galindo comentou que a Kroton poderia divulgar números mais robustos para este ano, mas optou pela sustentabilidade a longo prazo de seus negócios, em um momento em que a empresa deve abrir 20 campi e 100 polos de ensino à distância em 2018 e 38 campi e 200 polos em 2019.

Segundo o executivo, as margens da Kroton seguirão pressionadas nos próximos trimestres, conforme a empresa dá continuidade ao programa de expansão orgânico depois que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) proibiu, em junho do ano passado, a companhia de comprar a rival Estácio.

A Kroton projeta uma margem Ebitda ajustada de 41,5% em 2018, abaixo dos 44% apurados em 2017, considerando números consolidados. A margem líquida ajustada deve ficar em 35,4% ante 40,1% em 2017, conforme as projeções divulgadas mais cedo.

LEIA MAIS: Captações da Kroton crescem 3,4%, mas base de alunos cai

“Buscar eficiência a qualquer custo é irresponsável. Entendemos que uma pequena queda no Ebitda é o melhor para a geração de valor no longo prazo”, comentou Galindo. “Seria mais fácil entregar resultados fortes no curto prazo, mas optamos por plantar sólidas bases para crescimento orgânico futuro”, disse o executivo.

Galindo comentou que as metas da empresa para este ano, de queda de 6,7% no Ebitda ajustado e de 12,7% no lucro líquido ajustado, não consideram a aquisição da Somos Educação, anunciada pela Kroton no final de abril por R$ 4,6 bilhões. Ele não citou projeções considerando a aprovação da aquisição pelas autoridades de defesa da concorrência.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).