Lendária fabricante de guitarras Gibson pede recuperação judicial

iStock
A Gibson vem enfrentando dificuldade em meio a dívidas de US$ 500 milhões

A Gibson Brands, fabricante das guitarras usadas por nomes como B.B. King e Elvis Presley, registrou pedido de recuperação judicial ontem (1), com um plano para reorganizar seu negócio de instrumento musical sob o novo comando de seus credores.

LEIA MAIS: Receita com streaming de música supera vendas físicas

A Gibson, sediada em Nashville, cujas marcas lendárias incluem Les Paul e SG, vem enfrentando dificuldade em meio a dívidas de US$ 500 milhões ligadas à aquisição de seu negócio de eletrônicos de consumo em outros países, onde as vendas enfrentaram uma forte queda.

Em um registro com a corte de falências em Delaware, a Gibson disse que os negócios de eletrônicos de consumo no exterior serão reduzidos, permitindo que a empresa volte sua atenção ao seu negócio principal de fabricação de guitarras e áudio.

O negócio de áudio inclui fones, caixas de som e mesas para músicos profissionais e amadores e engenheiros de som KRK, Cerwin Vega e Stanton.

“Este processo será praticamente invisível para os clientes, que podem continuar confiando na Gibson para fornecer produtos e atendimento ao cliente incomparáveis”, disse o presidente-executivo Henry Juszkiewicz em um comunicado. Juszkiewicz adquiriu a Gibson in 1986.

VEJA TAMBÉM: Quanto os apps de streaming musical pagam aos artistas

Sob o plano de reestruturação, credores incluindo SilverPoint Capital, Melody Capital Partners LP e fundos afiliados ao KKR Credit Advisors vão trocar dívida por participação acionária na empresa reorganizada.

A Gibson disse que as vendas de suas guitarras cresceram 10,5%, para US$ 122 milhões nos 12 meses até janeiro, ante um ano antes.

A empresa, fundada em 1894, produz duas guitarras em fábricas em Nashville e Memphis, Tennessee e seus violões em Bozeman, Montana. A Gibson vende mais de 170.000 guitarras anualmente em mais de 80 países.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).