Lucro líquido da Cosan sobe 68,4% no 1º tri

iStock
Venda de combustíveis da Raízen acima da média contribuiu para o resultado da Cosan

A empresa de infraestrutura e energia Cosan reportou ontem (10) lucro líquido de R$ 345,7 milhões no primeiro trimestre de 2018, alta de 68,4% na comparação anual, fruto de melhorias no desempenho operacional de todas as linhas de negócio, bem como de menores despesas financeiras do período.

LEIA MAIS: Cosan tem lucro de R$ 686 mi no 4° tri com maiores vendas de combustíveis

O lucro da Cosan antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado atingiu R$ 1,3 bilhão, alta de 11% na comparação anual.

A Cosan afirmou que o volume vendido na Raízen Combustíveis, integrante da joint venture com a Shell, seguiu acima da média do mercado, “suportado pelo foco no relacionamento sustentável com a rede de postos revendedores”.

Na Raízen Energia, maior produtora de açúcar e etanol do Brasil, acelerou a venda de produtos no último trimestre da safra de cana 2017/18, encerrando a temporada “com a entrega do guidance, mesmo com a deterioração do preço do açúcar”.

A Cosan afirmou que as vendas da Comgás continuaram crescendo “com consistência, reflexo da conexão de novos clientes e maior atividade industrial”.

VEJA TAMBÉM: Conselheiros da Cosan aprovam compra de ações da Comgás por R$ 1,16 bi

A empresa informou ainda que a geração de caixa livre proforma (FCFE) da Cosan totalizou R$ 1,8 bilhão no período, enquanto a alavancagem caiu para 1,5 vez a dívida líquida/Ebitda proforma.

MUDANÇA NA MOAGEM

A Cosan manteve as projeções para a receita líquida (proforma) para o ano de 2018 em um intervalo entre R$ 50 bilhões e R$ 53 bilhões, contra R$ 49,37 bilhões no ano passado.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (proforma) do grupo Cosan deverá ficar entre R$ 4,9 bilhões e R$ 5,4 bilhões, ante R$ 5,13 bilhões em 2017.

Já a Raízen Energia deverá moer entre 62 milhões e 66 milhões de toneladas de cana na safra 2018/19, versus intervalo de 63 milhões e 67 milhões de toneladas na previsão anterior, ante 61,2 milhões na safra 2017/18, encerrada em março.

E TAMBÉM: Raízen fecha compra de ativos da Shell na Argentina

Apesar da ligeira mudança na previsão de moagem, que levou em conta o clima mais seco observado no início da safra, “o que afetou a produtividade agrícola em algumas regiões”, o guidance para a produção de açúcar e etanol foi mantido.

A Raízen Energia deverá produzir entre 4,2 milhões e 4,6 milhões de toneladas de açúcar em 2018/19, ante 4,3 milhões de toneladas na safra anterior, e entre 2,3 bilhões e 2,6 bilhões de litros de etanol, versus 2,2 bilhões na temporada passada.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).