Petroleiros convocam greve por redução dos preços dos combustíveis

iStock
A greve por redução dos preços dos combustíveis foi convocada pelos petroleiros para amanhã

A Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) decidiu ontem (27) convocar uma greve da categoria para esta semana contra a política de preços da Petrobras e a favor da saída do presidente da estatal, Pedro Parente, acompanhando a decisão da véspera da Federação Única dos Petroleiros (FUP).

LEIA MAIS: 11 greves que mudaram os rumos da história

A convocação ocorre em um momento em que o país vive uma crise de abastecimento de combustíveis, decorrente da greve dos caminhoneiros contra a alta do diesel, que já dura uma semana, e o movimento dos petroleiros pode complicar ainda mais a situação.

A paralisação da FNP está programada para começar amanhã (29), enquanto a FUP convocou a greve de 72 horas a partir de quarta-feira (30).

“O Exército já está nas unidades e terminais da Transpetro. Chegou a hora do petroleiro mostrar para sociedade que é contra o preço abusivo de combustíveis, que é contra a Petrobras voltada apenas ao interesse financeiro dos acionistas e empresários”, disse Adaedson Costa, secretário-geral da FNP em vídeo distribuído à categoria.

A Petrobras adotou em meados do ano passado uma política que prevê ajustes nos preços dos combustíveis praticamente diários com base na cotação do preço do petróleo no mercado internacional e da taxa de câmbio. A política anterior previa reajustes em períodos de aproximadamente 30 dias.

“Será uma greve com avaliação diária…os caminhoneiros demonstraram que nós trabalhadores não podemos ser reféns de mandos e desmandos de governantes que atendem a uma parcela mínima da população”, acrescentou o secretário-geral da FNP, que representa 45% da categoria de petroleiros.

VEJA TAMBÉM: Normalização do abastecimento de carnes levará até 2 meses

O diretor da Agência Nacional do Petróleo, Aurelio Amaral, disse à Reuters que a situação do abastecimento de combustíveis no Brasil segue delicada e que uma greve da FUP e FNP pode complicar a situação.

“O que temos até agora mesmo com ações foi uma pouca melhora e se tivermos uma greve a situação fica difícil”, disse ontem (27).

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).