Rezek quer lançar R$ 1 bi em imóveis em SP e RJ em 2018

Empresa planeja, ainda, megaprojeto do Minha Casa Minha Vida em Brasília

A incorporadora do Grupo Rezek espera mais que duplicar os lançamentos de imóveis econômicos em 2018, atingindo cerca de R$ 1 bilhão em Valor Geral de Vendas (VGV) com empreendimentos concentrados nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

LEIA MAIS: Incorporadora constrói prédios do Minha Casa, Minha Vida com padrão de classe média alta

“Estou muito confiante como empresário… A economia dá sinais de melhora e o mercado imobiliário está se recuperando, por mais que ainda não haja retomada de preços”, afirmou hoje (28) à Reuters o diretor-presidente da incorporadora, José Ricardo Lemos Rezek.

O Grupo Rezek espera lançar aproximadamente 4 mil unidades no Estado de São Paulo e até 500 na capital carioca este ano. Em 2017, a empresa lançou cerca de 2 mil unidades no Estado de São Paulo.

Entre os projetos mais recentes, a incorporadora lançou o chamado Reserva Raposo, um megacondomínimo com imóveis enquadrados nas faixas 1, 2 e 3 do programa habitacional Minha Casa Minha Vida.

O empreendimento prevê a entrega de um total de 17.960 apartamentos, além de seis creches, uma escola de ensino básico, dois parques públicos, duas unidades básicas de saúde, um centro de terceira idade, uma biblioteca, um auditório público e um terminal rodoviário. O VGV total do empreendimento é de cerca de R$ 5 bilhões, segundo a companhia.

“O governo cede áreas doadas e nós construímos toda essa infraestrutura”, explicou Verena Arantes Balas, diretora de incorporação, acrescentando que a escala do projeto permite a diluição dos custos de construir instalações para serviços públicos.

LEIA MAIS: Reforma do Bal Harbour Shops, em Miami, consumirá mais de US$ 500 milhões

A companhia já tem contratos assinados para as primeiras 1.200 unidades lançadas, mas teve que interromper as obras depois de uma ação popular aberta no fim do ano passado pelo vereador Gilberto Natalini (PV/SP), envolvendo questões de territorialidade e, consequentemente, licenciamento ambiental.

O prejuízo com a paralisação das obras é estimado em R$ 3,5 milhões por mês, segundo o diretor-presidente da Rezek. “São 12 mil empregos deixando de ser gerados”, disse.

Na avaliação dele, a insegurança jurídica e o desemprego são os principais desafios para o setor imobiliário no curto prazo. Apesar disso, o executivo avalia que o segmento de imóveis econômicos seguirá resiliente em função do elevado déficit habitacional no país.

A Rezek aguarda aprovação para um outro megacondomínio de 26 mil moradias das faixas 1, 2 e 3 do MCMV em Brasília, no qual pretende desembolsar cerca de R$ 250 milhões.

A previsão é que o projeto seja aprovado no primeiro semestre do ano que vem. Se materializado, será o maior empreendimento de Minha Casa Minha Vida do Brasil.

LEIA MAIS: Home Depot registra vendas menores do que o esperado

Em 2017, a MRV, maior construtora de imóveis econômicos do país, lançou 37.155 unidades em todo o país, o equivalente a um VGV de R$ 5,6 bilhões.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).