Shenzhen libera Tencent para testar carro autônomo

China busca reforçar sua posição na corrida global pela tecnologia

A cidade de Shenzhen, no sul da China, autorizou a gigante Tencent Holdings a testar seu carro autônomo em algumas rodovias públicas enquanto o país busca reforçar sua posição na corrida global pela tecnologia de veículos autônomos.

LEIA MAIS: Cientistas da Apple revelam pesquisa sobre carro autônomo

A Tencent obteve a licença do Departamento de Transporte de Shenzhen, informou hoje (14) a agência estatal de notícias Xinhua.

A iniciativa segue o movimento lançado em abril por Pequim por diretrizes nacionais para testes de carros autônomos, o que foi divulgado pelo jornal “China Daily”.

A China está fazendo um grande impulso em veículos autônomos para desenvolver campeões nacionais para competir com líderes globais, como a Waymo, braço de direção autônoma do Google, e Tesla.

Pequim, Xangai e outras cidades chinesas anunciaram anteriormente diretrizes locais para testes de autônomos.

A gigante da internet Baidu já tem aprovação para testar veículos autônomos em Pequim, enquanto a SAIC Motor e a startup de veículos elétricos NIO possuem licenças em Xangai.

LEIA MAIS: Conheça o carro autônomo da BMW que deve chegar às lojas em 2021

A Xinhua informou que várias cidades, incluindo Pequim, Xangai e Chongqing, emitiram licenças para carros autônomos depois que a regulamentação nacional entrou em vigor.

Depois de dois grande acidentes nos Estados Unidos envolvendo a Uber Technologies e a Tesla, autoridades do governo chinês disseram que o país faria da segurança uma prioridade.

O Departamento de Transportes de Shenzhen exigiu que o carro autônomo da Tencent tenha um motorista e uma segunda pessoa no carro durante os testes, por motivos de segurança, informou a Xinhua.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).