Sony fecha acordo de US$ 2,3 bi pela EMI

iStock
A Sony tornando-se a maior distribuidora de música com o acordo com a EMI

A Sony disse hoje (22) que vai pagar cerca de US$ 2,3 bilhões para obter o controle da EMI, tornando-se a maior distribuidora de música em uma indústria que encontrou nova vida amparada nos serviços de streaming.

LEIA MAIS: Sony aposta em vídeo 4K para retomar venda de smartphones

A aquisição é o maior movimento estratégico até o momento do novo presidente-executivo, Kenichiro Yoshida, e dá à Sony um catálogo com mais de 2 milhões de músicas de artistas como Kanye West, Sam Smith e Sia.

O acordo é parte da missão de Yoshida de tornar mais estável o fluxo de receitas com direitos de conteúdo de entretenimento, uma estratégia que vem depois de uma grande reformulação feita por seu antecessor que tirou o foco da Sony dos aparelhos eletrônicos de baixa margem.

“Esse investimento em conteúdo de propriedade intelectual é um passo importante para nosso crescimento de longo prazo”, disse o executivo em uma coletiva.

A disseminação da internet levou ao encolhimento do mercado de música de cerca de 1999 a 2014, disse Yoshida, mas acrescentou que ele se recuperou com o crescimento dos serviços de streaming de música com preço fixo. “O crescimento no streaming digital também está expandindo receitas de direitos autorais de compositores, com a Sony capturando valor como administradora desses direitos diante de acordos diretos com serviços como Spotify, Apple Music, Google Play, SoundCloud e YouTube”, disse o analista da Macquarie Damian Thong, em relatório.

O acordo avalia a EMI Music Publishing em US$ 4,75 bilhões, incluindo dívida, mais que o dobro do valor de US$ 2,2 bilhões de 2011, quando o consórcio liderado pela Sony ganhou direitos vinculantes pela empresa.

VEJA TAMBÉM: Sony anuncia renúncia de CEO Kazuo Hirai

A Sony, que tem administrado o negócio desde então, vai comprar uma fatia de 60% detida pelo Mubadala Investment Company, aumentando sua participação para cerca de 90% antes dos 30% atuais.

A EMI atualmente comanda 15% do mercado fonográfico, o que combinado com seu negócio Sony ATV tornaria a gigante japonesa líder com participação de mercado de 26%, disse um porta-voz da empresa.

Yoshida, que assumiu em abril, também impulsionou as ofertas de conteúdo da Sony este mês com um acordo de US$ 185 milhões para assumir uma participação de 39% na Peanuts Holdings, empresa por trás do Snoopy e Charlie Brown.

A Yoshida, que também revelou um novo plano de negócios de três anos hoje, disse que sua estratégia é priorizar fluxo de caixa estável e minimizar o impacto de ciclo voláteis de vendas de consoles de videogames e outros aparelhos eletrônicos.

A empresa disse que tem o objetivo de gerar um total de 2 trilhões de ienes (US$ 18 bilhões) ou mais em fluxo de caixa ao longo dos próximos três anos.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).