Airbus assumirá controle do programa CSeries

Acordo com a Bombardier foi fechado em outubro do ano passado

A Airbus vai concluir acordo para assumir o controle do programa de aviões comerciais CSeries, da canadense Bombardier, em 1º de julho, disseram as empresas hoje (8), depois que a operação recebeu sinal verde de autoridades na véspera.

LEIA MAIS: Cade aprova compra pela Airbus de 50% de controlada da Bombardier

A Bombardier fechou acordo em outubro para vender à Airbus uma participação de 50,01% no programa CSeries pelo valor simbólico de 1 dólar canadense, depois que o projeto enfrentou vendas fracas, o que dificultou o controle de custos.

A Airbus, por outro lado, poderá oferecer às companhias aéreas acordos empacotando os CSeries com seus próprios jatos e deve usar seu poder de compra para reduzir custos de peças, ao mesmo tempo em que melhora eficiências internamente.

A Bombardier terá cerca de 31% do empreendimento, enquanto o braço de investimento da província de Quebec, Investissement Québec, terá uma fatia de 19%.

A Bombardier elevou sua projeção para o lucro consolidado antes de juros e impostos de 2018 em US$ 100 milhões, para uma faixa entre US$ 900 milhões e US$ 1 bilhão, para refletir a separação do programa de jatos CSeries.

A companhia canadense, uma das maiores rivais da brasileira Embraer, também disse que cortou sua estimativa de receita em US$ 500 milhões, para entre US$ 16,5 bilhões e US$ 17 bilhões. A empresa acrescentou que os resultados do CSeries não serão mais consolidados em seus resultados a partir de 1º de julho.

LEIA MAIS: Boeing desiste de recorrer em caso comercial contra Bombardier

O governo de Quebec, por meio de seu braço de financiamento, assumiu uma fatia de 49% no programa CSeries em 2015 por US$ 1 bilhão. A participação de Quebec caiu, mais recentemente, para 38% e diminuiu para 19% depois do acordo com a Airbus.

O negócio foi anunciado em um momento em que a Bombardier estava no meio de uma disputa comercial com a fabricante norte-americana de aviões Boeing.

A disputa terminou em março, quando a Boeing disse que não recorreria da decisão da comissão de comércio dos EUA de permitir que a Bombardier venda o CSeries nos EUA sem pesadas sobretaxas. Depois disso, a Boeing passou a tentar fazer uma ampla parceria com a Embraer, mas após meses de negociações envolvendo o governo brasileiro, nenhum acordo foi anunciado.

A conclusão do acordo da Bombardier com a Airbus permite que a equipe de vendas do grupo europeu promova o CSeries durante campanhas de venda para empresas aéreas como Grupo AeroMéxico e Ethiopian Airlines.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).