Brasil deixou de exportar US$ 240 mi em carne bovina

Prejuízo foi causado pela greve dos caminhoeiros, segundo a Agroconsult

O Brasil deixou de gerar US$ 240 milhões em receita com exportação de carne bovina em maio frente o esperado, em razão dos protestos de caminhoneiros, disse hoje (07) a Agroconsult, que estima perdas bilionárias para a cadeia produtiva da pecuária de corte nacional pelo mesmo motivo.

LEIA MAIS: JBS conclui venda de operações de carne bovina na Argentina, Paraguai e Uruguai para Minerva

As manifestações, desencadeadas pela alta do diesel, duraram mais de dez dias e afetaram diversos setores da economia.

No agronegócio, a indústria de carnes de aves e suína também sofreu perdas elevadas: cerca de US$ 300 milhões deixaram de ser gerados com a exportação de carne de frango, cuja expectativa inicial era de vendas de US$ 518 milhões; no caso da suína, a “frustração” foi de 60 milhões de dólares, enquanto o segmento esperava embarcar US$ 100 milhões no mês passado, disse Nogueira.

No caso da bovinocultura, os bloqueios de estradas e a falta de caminhões reduziram o escoamento de carne, explicou o sócio e coordenador de pecuária da consultoria, Mauricio Palma Nogueira.

“Em relação a abril, a frustração com as exportações foi de US$ 180 milhões por causa da greve”, comentou ele, durante evento em São Paulo para apresentação do Rally da Pecuária 2018, expedição que a consultoria realizará a partir deste mês pelas principais áreas produtoras de gado do Brasil, o maior exportador mundial da carne bovina.

LEIA MAIS: JBS retoma atividades em unidades de carne bovina no MS

Conforme cálculos apresentados por ele, a cadeia produtiva da pecuária de corte, desde produtores até empresas de insumos, registrou perdas superiores a R$ 11 bilhões em negócios não realizados por causa dos protestos.

“Isso é o que deixou de ser movimentado… Existe a possibilidade de reverter, mas só se tivermos um cenário inflacionário, com preços mais altos da carne bovina. A única forma é por preço”, disse.

“Acredito que temos fôlego para isso, demanda, tem trabalho para reforçar mercado…”, ponderou Nogueira, que vê a concorrência com as outras carnes e a retomada dos embarques como fatores altistas para a proteína bovina.

CONFINAMENTO

O sócio da Agroconsult afirmou ainda que a tendência de confinamento de bovinos neste ano no Brasil é de estabilidade ou alta ante os pouco mais de 5 milhões de cabeças observados no ano passado.

Segundo ele, o cenário de alta para os preços de carne e da arroba do boi gordo responderiam por esse cenário.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).