Cemig compra 431,5 MW de energia solar e eólica

iStock
A Cemig não informou os valores dos contratos fechados no leilão

A companhia elétrica mineira Cemig fechou a compra de 431,49 megawatts médios de energia solar e eólica em um leilão de compra da produção futura de usinas renováveis realizado ontem (6), em contratos de fornecimento de 20 anos de duração a partir de janeiro de 2022, informou a companhia em comunicado na noite de ontem.

LEIA MAIS: Bancos irão financiar placas solares em residências

O inédito leilão da Cemig, que atraiu a atenção do mercado por ter características semelhantes aos promovidos pelo governo para novos projetos de geração, movimentou energia suficiente para viabilizar usinas com capacidade instalada de 1.240 megawatts.

O montante negociado pela elétrica mineira, inclusive, ficou acima do registrado no último leilão do governo, o chamado A-4, em abril, para projetos que precisarão entrar em operação também em 2022. O certame estatal contratou 356,2 megawatts médios, ou cerca de 1 gigawatt em capacidade instalada.

“Com esta contratação, a Cemig aprimorou as condições de renovação de contratos com seus clientes, bem como está apta a ampliar a sua participação de mercado”, afirmou a Cemig no comunicado.

Executivos da companhia disseram anteriormente à Reuters que o leilão era importante para que a companhia recuperasse a capacidade de atender seus clientes no futuro após o vencimento da concessão de algumas de suas maiores usinas, como Jaguara, Miranda e Volta Grande, que foram relicitadas pelo governo no ano passado e compradas por outras empresas do setor.

VEJA TAMBÉM: Empregos em energia renovável batem a marca de 10 milhões

A Cemig não informou os valores dos contratos fechados no certame e nem as empresas vendedoras. Também não foram abertos de imediato os montantes negociados por fonte de geração.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).