Enel prevê ampliar investimento na Eletropaulo

A estimativa é aumentar para US$ 300 mi ao ano entre 2019 e 2021

O grupo italiano Enel prevê aumentar os investimentos na Eletropaulo para US$ 300 milhões ao ano entre 2019 e 2021, uma expansão de cerca de 36% ante o nível de aportes da companhia entre 2015 e 2017, que ficou em US$ 220 milhões, disse a jornalistas o presidente da Enel para o Brasil, Carlo Zorzoli.

LEIA MAIS: Enel fica com controle da Eletropaulo

O anúncio vem após a Enel fechar, nesta semana, a aquisição do controle da Eletropaulo por R$ 5,55 bilhões, tornando-se com isso a maior empresa do setor elétrico do Brasil em faturamento.

Os italianos venceram uma disputa aberta pela distribuidora de energia paulista que começou ainda em março e envolveu ofertas de aquisição apresentadas também pela Neoenergia e pela Energisa.

A oferta vencedora da Enel pelo negócio foi de R$ 45,22 por ação contra os R$ 39,53 apresentado pela Neoenergia, que é controlada pelo grupo espanhol Iberdrola.

O lance da Enel inclui, ainda, o compromisso da empresa de realizar um aumento de capital de pelo menos R$ 1,5 bilhão na Eletropaulo.

“A Eletropaulo, na nossa opinião, não realizou todos os investimentos que precisava para manter o nível de qualidade do serviço, então, com a aquisição temos um plano, que vai investir US$ 900 milhões entre 2019 e 2021 para melhorar a qualidade do serviço e a digitalização”, disse Zorzoli.

LEIA MAIS: Enel volta a elevar oferta pela Eletropaulo

A Enel já ficou com cerca de 73% da Eletropaulo após um leilão ontem (4), no qual a companhia apresentou sua proposta aos acionistas da distribuidora.

Agora, os acionistas da Eletropaulo que ainda não venderam seus papéis terão até 4 de julho para decidir se querem negociá-los com a Enel pelo mesmo preço do leilão.

A Enel Sudeste, subsidiária da companhia no Brasil, financiará a aquisição com um financiamento bancário de curto prazo organizado e garantido por sua controladora, a Enel Américas, no Chile.

Segundo Zorzoli, a companhia está pronta para comprar até a totalidade da Eletropaulo se necessário, e o financiamento será feito em reais, para que a empresa não assuma risco cambial. A operação terá prazo de 9 a 18 meses, com possibilidade de pré-pagamento.

“Essa dívida não vai para a Eletropaulo, é o financiamento da compra. E vamos ainda fazer o aumento de capital que vai fortalecer o patrimônio da Eletropaulo… Acreditamos na necessidade de ter uma distribuidora em São Paulo com um balanço, um patrimônio, mais forte, para poder fazer frente às necessidades futuras”, disse.

LEIA MAIS: Enel eleva preço para aquisição da Eletropaulo

Analistas da Brasil Plural disseram, em nota, que a proposta da Enel representa uma relação de 2,7 vezes entre o valor da Eletropaulo e sua base de ativos, a mais elevada já paga por um ativo de distribuição de energia no Brasil desde 2016, quando a corretora começou a cobrir o setor.

Apesar do elevado valor, Zorzoli disse que avalia que a transação envolveu um “preço justo” e dentro dos níveis previstos pela Enel.

“A companhia tem capacidade financeira para fazer essa aquisição sem problema nenhum, mas também tem a capacidade de seguir investindo, e não só no Brasil… Pode parecer um preço elevado, mas não compramos a companhia para ela ser como está hoje”, apontou.

Ele disse que a Enel espera agregar conhecimento e tecnologia às operações da Eletropaulo, além de sinergias com suas operações globais de distribuição – o que deve permitir a compra de equipamentos a preços mais baixos, por exemplo.

PLANOS

O executivo disse que a Enel ainda está de olho nas oportunidades futuras de ganhos que surgirão conforme a tecnologia de carros elétricos avançar no Brasil e com um esperado crescimento do mercado livre de eletricidade, no qual grandes clientes podem negociar a compra diretamente com fornecedores.

LEIA MAIS: Enel muda oferta pela brasileira Eletropaulo

O governo brasileiro tem prometido realizar uma reforma no setor elétrico que abriria gradualmente o mercado livre para novos clientes, inclusive os residenciais, o que é previsto para o final da próxima década.

“Em São Paulo, vemos essa área além da concessão de distribuição. É uma oportunidade para o desenvolvimento comercial fora do mercado regulado… É uma plataforma para desenvolver nosso negócio”, afirmou.

“Queremos depois oferecer aos clientes livres ou que serão livres nos próximos anos a chance de comprar energia no mercado junto à Enel”, adicionou.

A Enel opera distribuidoras no Rio de Janeiro, no Ceará e em Goiás, além de possuir ativos de transmissão e geração, com destaque para fontes renováveis.

“A história da Enel no Brasil não acaba com a Eletropaulo, a gente segue mirando oportunidades”, afirmou Zorzoli, que não quis comentar o interesse em ativos específicos.

LEIA MAIS: Enel faz nova oferta e pode gastar R$ 5,7 bi para comprar Eletropaulo

Ele afirmou, no entanto, que a empresa pretende seguir com investimentos relevantes na área de energia limpa, onde ocupa posição de destaque como líder em capacidade de geração solar no Brasil.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).