Esqueleto de dinossauro é vendido por US$ 2 mi

Acredita-se que o fóssil leiloado é de uma espécie ainda não identificada

O esqueleto de 9 metros de comprimento de um tipo não identificado de dinossauro, que acredita-se ser de uma nova espécie, arrecadou mais de US$ 2,3 milhões em um leilão feito ontem (4), no primeiro andar da Torre Eiffel, em Paris.

LEIA MAIS: Conheça alguns dos itens mais caros já leiloados

A única coisa que se sabe é que o fóssil, desenterrado no oeste dos Estados Unidos em 2013, pertence a um dinossauro grande e carnívoro. Cientistas que estudaram o esqueleto disseram que há diversas diferenças com espécies conhecidas. “O comprador é francês e me disse antes da venda: ‘Se eu consegui-lo, irei apresentá-lo ao público’. Isto é incrível”, disse o leiloeiro Claude Aguttes. “Todos poderão vê-lo, já que, em breve, ele será emprestado a um museu, será estudado por cientistas, tudo está perfeito.”

O comprador e o vendedor, identificado somente como um empresário britânico, não tiveram seus nomes revelados. A expectativa é que o esqueleto arrecadasse US$ 2,1 milhões.

A casa de leilões francesa Aguttes, que vendeu anteriormente um esqueleto de mamute e o de outro dinossauro, tinha dito antes da venda de hoje que o comprador poderia ser capaz de nomear a espécie, provocando objeções de uma associação científica dos Estados Unidos.

A Sociedade de Paleontologia Vertebrada havia argumentado em comunicado que isto pode ir contra as regras de nomeação. A associação pediu que o leilão fosse cancelado, dizendo que posse privada poderia limitar o alcance de estudos científicos, mesmo que o esqueleto fosse então liberado a pesquisadores.

Parte dos lucros do leilão irá para duas instituições de caridade que trabalham com espécies ameaçadas de extinção, incluindo guepardos e vida selvagem marinha.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).