EUA aprovam compra da Time Warner pela AT&T

Operação de US$ 85 bi vai permitir concorrência com empresas como Netflix

O grupo de telecomunicações AT&T obteve aprovação da Justiça dos Estados Unidos para comprar o grupo de mídia Time Warner por US$ 85 bilhões, sem condições, o que permitirá à companhia competir com empresas de internet como Netflix e Google.

LEIA MAIS: Cade aprova por unanimidade acordo de fusão da AT&T e Time Warner com condições

A aprovação do negócio é considerado como um ponto de virada para a indústria da mídia, que passou a sofrer concorrência de rivais online que produzem seu próprio conteúdo e o vendem diretamente aos consumidores, sem precisarem de empresas de TV paga.

Distribuidores, incluindo empresas de cabo, satélite e de transmissão sem fio, consideram que a compra de companhias de conteúdo é uma forma de acrescentarem receitas às suas operações.

A decisão também poderá disparar uma cascata de operações de compra de produtores de conteúdo por parte de empresas de TV paga. A Comcast pode ser a primeira, com uma oferta pelos ativos da Twenty-First Century Fox.

A fusão da AT&T e da Time Warner, cujo valor inclui dívidas, será a quarta maior já realizada pela indústria global de telecomunicações, mídia e entretenimento, segundo dados da Thomson Reuters. O negócio também será o 12º maior de qualquer setor, segundo os dados.

“Eu concluo que o governo fracassou em demonstrar a validade de seus argumentos”, disse o juiz distrital “Richard Leon”, na decisão que permitiu a compra da Time Warner pela AT&T. Ele afirmou que os argumentos do governo norte-americano foram fracos.

LEIA MAIS: Cade recomenda ao tribunal impugnação de compra da Time Warner pela AT&T

O Departamento de Justiça dos EUA tinham aberto um processo para impedir o acordo entre as duas empresas em novembro do ano passado, afirmando que o controle pela AT&T da DirecTV e da Time Warner dará ao grupo de telecomunicações uma vantagem injusta contra rivais de TV a cabo que dependem de conteúdos da Time Warner, que incluem a rede de notícias CNN e o seriado “Game of Thrones”.

A AT&T afirmou no processo que a compra da Time Warner permitirá obter informações sobre os consumidores necessárias para anúncios publicitários digitais dirigidos, como fazem empresas como Facebook e Google.

O governo dos EUA estimou no processo que os custos de rivais da AT&T, como a Charter Communications, vão subir em US$ 580 milhões se a empresa comprar a Time Warner.

O acerto entre AT&T e Time Warner custou o emprego do principal lobista da AT&T, Bob Quinn.

Em maio, foi tornado público que a AT&T pagou US$ 600 mil ao advogado pessoal do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, Michael Cohen, para ter conselhos sobre como conseguir aprovação do negócio.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).