Facebook rechaça acusações do “New York Times”

Jornal alega que empresas, como Apple, tiveram acesso a dados de usuários

O Facebook rejeitou alegações do “New York Times” de que permitiu acesso profundo da Apple e de outros fabricantes de dispositivos a dados pessoais de usuários, dizendo que tais informações são rigidamente controladas e amplamente sujeitas a consentimento dos usuários.

LEIA MAIS: Facebook vai remover recurso trending topic

O software mencionado pelo “New York Times” foi lançado há 10 anos e foi adotado por cerca de 60 empresas, incluindo Amazon, Apple, Blackberry, HTC, Microsoft e Samsung, escreveu ontem (3) em um post o vice-presidente de parcerias de produtos do Facebook, Ime Archibong.

O “Times” afirmou que o Facebook permitiu que as empresas acessassem os dados de amigos dos usuários sem consentimento explícito, mesmo depois de declarar que deixaria de compartilhar tais informações com pessoas de fora.

Segundo o jornal, alguns fabricantes de dispositivos podem recuperar informações pessoais mesmo de amigos de usuários que acreditavam ter impedido qualquer compartilhamento.

“Ao contrário do que afirma o ‘New York Times’, informações de amigos, como fotos, só eram acessíveis em dispositivos quando as pessoas tomavam a decisão de compartilhar suas informações com esses amigos”, disse Ime Archibong.

O Facebook tem estado sob escrutínio de reguladores e acionistas após os dados de cerca de 87 milhões de usuários terem sido compartilhados com a agora falida empresa de dados políticos Cambridge Analítica.

LEIA MAIS: Tamanho do Facebook não é barreira para novos negócios

O escândalo de dados foi relatado pela primeira vez em março pelos jornais “New York Times” e pelo “Observe”, de Londres.

Archibong também disse que esses casos são “muito diferentes” do uso de dados por terceiros, como na questão da Cambridge.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).