Lifestyle

Mulheres estão conquistando espaço no mundo da música eletrônica

Grande parte – se não todos – dos mais bem pagos e respeitados DJs ao redor do mundo são homens. Apesar disso, as mulheres estão entrando aos poucos nessa indústria totalmente dominada pelo sexo masculino, provando que podem crescer na profissão.

Nick Pennie, Lindsay Luv, Jilly Hendrix e Hannah Bronfman são nomes cada vez mais influentes no mercado. Talentosas e ambiciosas, estas mulheres tiveram de passar por desafios até conquistarem o espaço e o talento que possuem hoje. Apesar de cada história ser única, todas elas têm uma coisa em comum: não têm medo de mixar os elementos.

Nikki Pennie trabalhou como estilista por toda sua vida. No início de 2013, algumas marcas começaram a pedir para que ela fosse DJ em festas de lançamento e, assim, ela foi treinada por Dave Garnish, produtor musical e começou a tocar com o nome “The British Bardot”. Desde então, ela toca para marcas como Christian Dior, H&M, Jimmy Choo, Jaguar, Range Rover, Donna Karan e em muitas festas privadas em Hollywood.

Ela conta que houve julgamento por parte das pessoas quanto a ela ser uma DJ. “Algumas vezes eu passei por situações como estar carregando meu mixer e as pessoas perguntarem que eu era, ou se eu era a namorada do DJ, por exemplo”, conta Pennie. Além disso, ainda há muitos comentários vindo de pessoas negativas no mecado que não entendem como ela conseguiu chegar onde chegou sendo mulher. “Ser DJ é era algo muito masculino antes da era digital”.

Para Pennie, este é o emprego dos sonhos: “nos últimos meses tenho viajado muito e fico constantemente em aviões, mas não poderia ser melhor, pois eu amo isso”, conta. Para a top DJ Lindsay Luv, o melhor momento de sua carreira foi quando tocou em uma festa particular da Armani Privé em Dubai, no maior edifício do mundo, o Burj Khalifa.

“Acredito que ser DJ é ter conhecimento da atmosfera, da plateia e ter habilidades técnicas. Começa por ai. Isso não é uma característica somente dos homens ou das mulheres”, afirma Luv. “Apesar disso, acredito que as mulheres conseguem adicionar uma feminilidade muito importante. Trabalho sempre com a Victoria’s Secret e faz todo o sentido”.

Topo