Comer chocolate pode fazer bem para o coração, aponta novo estudo

iStock
iStock

Não é mais preciso se sentir culpado por comer chocolate ao leite. Um novo estudo, feito pela Universidade de Aberdeen, na Escócia, comprovou que o doce não só não faz mal ao coração, como pode ser benéfico a ele. A pesquisa feita com mais de 21.000 pessoas na Inglaterra comprovou que as pessoas que mais comem chocolate ao leite são as que têm menos chances de desenvolverem problemas cardiovasculares e de terem infarto.

Outros fatores, além do consumo do doce, podem influenciar nos resultados, por isso, os especialistas que fizeram a pesquisa pedem cuidado na interpretação dos resultados. Eles ressaltam que a importância do estudo é o fato de quem come chocolate moderadamente, não precisa minuir ou evitar o consumo.

LEIA MAIS: Pesquisadora pode ter desenvolvido vacina para diabetes nos EUA

Os participantes preencheram formulários sobre seus hábitos alimentares, exercícios e outras variáveis do cotidiano. Além disso, também monitoraram seu peso, pressão sanguínea e outras medidas relacionadas à saúde. Depois de 12 anos, apenas 3.000 dos 21.000 entrevistados tiveram problemas no coração ou infarto.

A conclusão é que as pessoas que mais comem chocolate, isto é, entre 16g e 100h por dia, tiveram menos problemas cardíacos. Eles tem 14% a menos de risco de desenvolver doenças cardiovasculares e 23% a menos de possibilidade de ter um infarto.

O consumo de chocolate também tem outras vantagens, como a diminuição do índice de massa corporal, medidas da cintura e do quadril e pressão sistólica. Comer o doce também ajuda levemente a rejuvenescer e a se exercitar mais. Todos esses fatores colaboram para a redução do risco de ataques do coração.

CURIOSIDADE:  Hotel Trump SoHo lança pacote com chocolate mais caro do mundo

Mas essas são apenas correlações. Se elas forem reais, há alguns mecanismos plausíveis, como os efeitos antioxidantes o doce. “O chocolate contem alguns componentes que são importantes para a saúde, como flavonóis”, explicou o autor do estudo, Phyo Myint.

Claro que é preciso tomar certos cuidados com os resultados, porque a pesquisa tem alguns problemas. Um deles é que o estudo não separou chocolate amargo de ao leite – mas muitos dos participantes consomem a segunda opção, que tem menos antioxidantes. Por isso, os especialistas sugerem que não só flanóide, mas outros componentes relacionados ao leite, como cálcio e ácidos gordurosos.

“Acredito que é ok um adulto sem grandes problemas de saúde comer um pouco de chocolate”, afirma Myint. O especialista explica que não é necessário consumir mais que 16g por dia para conseguir os benefícios. Não há uma relação entre quantidade e bens que o doce faz. Myint também ressalta que é melhor comer menos que a o mínimo do que passar de 100g ao dia.

VEJA TAMBÉM: Alimentação saudável pode reduzir em 24% o risco de declínio cognitivo

Outros estudos também comprovaram que não só relação entre chocolate e o coração, mas também do doce com o cérebro. Em 2014, um estudo apontou que pessoas tomaram bebidas de cacau superpotentes durante três meses tiveram melhor desempenho de memória do que aqueles que beberam uma versão mais fraca.

É importante lembrar que o chocolate tem problemas no quesito nutricional. Algumas variedades podem ser muita gordura, especialmente saturada, além de ter muito açúcar. Portanto, tenha cuidado no consumo do doce.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).