Lifestyle

Como a Starbucks transformou um morador de rua em um corretor

Matthew Tejeda (Reprodução/FORBES)

Matthew Tejeda (Reprodução/FORBES)

Aos 19 anos, Matthew Tejeda não teve outra opção que não fosse se cadastrar em um abrigo para moradores de rua em Nova York – um quarto pequeno com quatro beliches cheio com outros sete homens.

Ter de aceitar que era morador de rua foi um momento devastador para Tejeda, que não tinha apoio dos pais ou de parentes há muito tempo, mas que sempre conseguiu amparo com amigos. Cadastrar-se em um abrigo para moradores de rua significava encarar a realidade de que ele não tinha nenhum lugar para ir e não podia contar com ninguém além dele mesmo, um jovem sem recursos financeiros em uma das cidades mais caras do mundo.

Foi logo após esse ponto baixo que a gerente de uma das lojas da Starbucks mais cheias de Nova York o resgatou.

“Um pouco depois de ter me tornado morador de rua”, diz Tejeda, “eu tive uma entrevista na Starbucks com Debbie Dooknah, que gerencia a loja da Grand Central Station. Graças ao amigo em comum que conseguiu a entrevista, Debbie sabia da minha situação, de cada detalhe da minha situação precária. Ela decidiu apostar em mim e me ofereceu uma posição como barista.” Tejeda diz que Dooknah tornou-se não apenas sua gerente, mas também sua mentora, e mostrou a ele o que ele descreve como um nível notável de compaixão.

VEJA TAMBÉM: Starbucks paga estudos de parentes de funcionários militares nos Estados Unidos

Não é surpresa, considerando os aluguéis estratosféricos de Nova York, que trabalhar como barista na Starbucks não era o suficiente para fazer com que Tejeda saísse das ruas. Ainda que a rede pague salários acima da média do mercado e dê benefícios impressionantes até mesmo para funcionários de meio período, a realidade é que por um ano após ter começado na Starbucks, Tejeda continuou tendo de residir em um abrigo. E qualquer um que pense que é fácil sair da condição de morador de rua sem receber ajuda está sonhando:

“Um dos reais desafios disso, enquanto você tenta manter um emprego e melhorar, é que a vida no abrigo – dormir em um quarto com sete outros homens e sem rotina de sono – significa dormir muito pouco. É difícil abrir uma loja da Starbucks às 4h30 sem ter dormido, especialmente porque eu decidi que não deixaria meus colegas de trabalho saberem que eu estava lidando com essas dificuldades. Às vezes, quando o abrigo estava muito barulhento, em vez de ficar deitado sem dormir em minha cama, eu me trancava no banheiro por algumas horas com minha cabeça contra a parede e tentava cochilar antes de abrir a loja.”

Roubos eram um problema constante no abrigo. Pertences pessoais certamente seriam roubados se você parasse de vigiá-los por um momento. Uma vez, Tejeda deixou seus uniformes de trabalho secando, apenas para descobrir que alguém roubou os uniformes de dentro da secadora.

LEIA MAIS: Morador de rua ganha US$ 500.000 na loteria nos EUA

Tejeda trabalhou duro e, em seis meses, tornou-se supervisor. Após outros seis meses, tornou-se gerente de loja. “Nas semanas seguintes, eu comecei a procurar por apartamentos porque eu sabia que, tendo sido promovido, eu seria capaz de me sustentar. Minha gerente me falou sobre o “CUP (Caring Unites Partners) Fund” da Starbucks, que é um benefício de funcionários para funcionários. Funcionários decidem doar parte de seus salários e, se você estiver precisando, o fundo poderá te ajudar com até US$ 1.000.” Estes fatores combinados o ajudaram a cruzar a linha de chegada: “Com o meu novo salário eu podia pagar o aluguel mensal de um apartamento, e com as minhas economias e o CUP Fund, eu fui capaz de fazer a mudança.”

“Eu não sei se é possível descrever quão emocionante este momento foi para mim. Eu fui promovido e me mudei para meu novo apartamento na mesma semana. A primeira noite no meu apartamento me fez chorar. Pela primeira vez na minha vida inteira eu sabia exatamente onde eu iria dormir naquela noite e na noite seguinte, e esse senso de segurança não dependia de nada no mundo além de mim mesmo. Eu encontrei um lar na Starbucks, e eventualmente a Starbucks me ajudou a encontrar a minha casa. Um local tangível que eu pudesse chamar de meu.”

A ascensão de Tejeda na Starbucks ainda não terminou. Antes, ele havia se tornado um gerente de loja, abrindo uma nova unidade do outro lado da rua da loja em que ele trabalhava inicialmente. Depois, foi transferido para gerenciar a unidade da Penn Station, uma das que tem maior volume na cidade – e no país.

FOTOS: CEO do Starbucks compra mansão no Havaí por US$ 25 milhões

“Me desenvolvendo e crescendo na Starbucks, eu descobri muitas partes de mim – incluindo um fogo empreendedor que eu não sabia que existia. Eu aprendi a me comprometer, a ter a disciplina necessária para ter resultados, e a acreditar no poder dos sonhos. Essas descobertas me fizeram decidir a perseguir o ramo imobiliário porque, apesar de eu amar a Starbucks, uma carreira lá teria sempre de encarar as restrições de uma corporação. No ramo imobiliário eu vejo a habilidade de exercer grande controle sobre a escala da minha carreira. Eu tenho um espírito empreendedor muito forte e isto é muito como ter seu próprio negócio, com a oportunidade, como em qualquer negócio, de ter como resultado o esforço que eu colocar.”

Tejeda passou em sua prova para ter a licença de corretor de imóveis em novembro do ano passado e, rapidamente, encontrou um emprego no famoso grupo Corcoran, de Nova York. Ele agora tem dois trabalhos que exigem muito – 40 a 50 horas por semana na Corcoran e 20 horas semanais na Starbucks -, e diz que a Starbucks apoiou muito sua decisão de ir atrás do seu sonho de corretor de imóveis.

“Eu carregava uma chave em meu bolso quando era morador de rua porque eu acreditava que um dia teria minha própria casa. Então eu encontrei a Starbucks, e eles se tornaram a minha família. Através da Starbucks eu fui capaz de ter meu primeiro apartamento, e agora eu acho que a próxima etapa da minha evolução é ajudar os outros a terem a casa de seus sonhos.”

Comentários
Topo