Lifestyle

A superação de um clássico: Herman Miller lança nova versão da Aeron

Na cor Mineral, a Aeron segue as tendências de decoração (Divulgação)

Na cor Mineral, a Aeron segue as tendências de decoração (Divulgação)

Barack Obama escreveu sua versão de 2015 do State of the Union Address, o discurso que o presidente americano deve fazer anualmente para o Congresso, sentado em uma Aeron. Outra personalidade fã da premiada cadeira produzida pela Herman Miller é o cantor Pharrell Williams. Nos seus 22 anos de existência, a fama do produto, alcançada principalmente por sua ergonomia e seu design, invadiu até mesmo a ficção. No episódio 354 do desenho animado Os Simpsons, Homer sonhou que ninguém menos do que Deus estava sentado em uma Aeron.

A Aeron é a cadeira mais vendida da Herman Miller. Em pouco mais de duas décadas, 7 milhões de unidades já foram despachadas para mais de 134 países. Essas pessoas vão usá-la por muito tempo. A Aeron é feita para durar – prova disso é sua garantia de 12 anos.

Quando foi lançada, em 1994, sem a tradicional espuma revestida por tecido presente nas cadeiras de escritório, a Aeron revolucionou o segmento. Sua tela, que faz as vezes de assento e encosto, tem incontáveis pequenos furos que deixam o ar passar. “O usuário nunca vai levantar com a roupa molhada de calor”, diz Maria Paula Zajar, gerente de produto para a América Latina da Herman Miller.

O modelo ganhou o prêmio Designs da Década, concedido pela Industrial Designers Society of America, na categoria Móveis para Escritório, e faz parte da coleção permanente do Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA).

Fernanda Feitosa foi convidada pela Herman Miller para divulgar no Brasil a nova versão da Aeron (Divulgação)

Fernanda Feitosa foi convidada pela Herman Miller
para divulgar no Brasil a nova versão da Aeron (Divulgação)

“Os museus cumprem o papel de reunir em seus acervos os melhores exemplos de arte feitos pela humanidade através dos tempos. A Aeron está no panteão dos objetos produzidos pelo homem”, afirma Fernanda Feitosa, diretora da SP-Arte. Ela e o arquiteto Mauricio Arruda foram convidados pela Herman Miller para divulgar no Brasil a nova versão da Aeron, cujo lançamento mundial ocorreu em 20 de outubro. Os dois gravaram vídeos sobre o produto para divulgação nas redes sociais da marca.

A Herman Miller gastou dois anos de pesquisa para chegar à nova versão. “Em um mercado onde modelos novos são tão valorizados, revisitar uma peça campeã de vendas e deixá-la ainda melhor é demonstrar respeito com o meio ambiente e com o cliente”, afirma Mauricio Arruda. A Aeron possui 39% de conteúdo reciclado e 91% dela é reciclável. Na versão atual foram removidos alguns compostos químicos como uretano, neoprene e cloreto de metileno.

"Não é fácil você se manter relevante e conseguir renovar um produto quase 20 anos depois que ele foi criado", diz Fernanda Feitosa

“Não é fácil você se manter relevante e conseguir renovar um produto quase 20 anos depois que ele foi criado”, diz Fernanda Feitosa

Para promover as 12 mudanças presentes na nova cadeira, a companhia contou com a assistência de Don Chadwick, um dos designers responsáveis pela criação do produto. Bill Stumpf, que também assinou a Aeron, morreu há dez anos. “Sentar na cadeira hoje é uma experiência completamente nova. Mas ela ainda é uma cadeira Aeron”, disse Chadwick após a conclusão do projeto.

A estrutura atrás do encosto, que antes tinha foco no sacro (osso da parte de trás da bacia), agora também beneficia a lombar. O ajuste para as duas áreas é feito de maneira independente. “Dessa forma, mesmo sentado, o usuário continua com a coluna no formato de S, postura natural quando se está de pé”, afirma a gerente de produto Maria Paula. A Aeron possui outras três estruturas para o encosto, que podem ser escolhidas de acordo com as necessidades de uso de cada um.

Encosto, assento e braços estão entres as partes que receberam melhorias (Divulgação)

Encosto, assento e braços estão entres as partes que receberam melhorias (Divulgação)

As telas do assento e do encosto, juntas, ganharam oito zonas com diferentes tipos de tensão, característica que melhorou o conforto e a mobilidade de quem está sentado. Na versão anterior, a tensão era distribuída de forma homogênea. O mecanismo embaixo do assento, chamado Tilt, que ajusta postura, altura e equilíbrio da cadeira, está mais fácil de usar. Antes, para chegar à configuração ideal, o usuário acionava o mecanismo até 52 vezes. Na nova versão, o ajuste perfeito é alcançado com, no máximo, 13 movimentos. O Tilt também ficou menor e contribuiu para um aspecto mais “clean” da cadeira. Os rodízios tiveram uma pequena mudança no desenho e estão mais silenciosos.

Já os braços, que antes só tinham regulagem para altura e ângulo, agora ganharam ajuste de profundidade. A nova opção é importante, por exemplo, na hora de chegar a cadeira perto da mesa. Como o braço da Aeron vai para a frente e para trás, o usuário pode aproximar a cadeira da mesa o quanto desejar sem perder o benefício do apoio. “Já o ajuste do ângulo depende da atividade que a pessoa está executando no momento. Para usar o mouse, o braço da cadeira pode ser virado para fora. Na hora de digitar, ele é direcionado para dentro”, diz Maria Paula.

Durante toda sua história, a Aeron só foi produzida na cor grafite. Agora, ela também apresenta os tons mineral (quase branco) e carbono. “Estamos seguindo as tendências de mercado. Atualmente, muitos escritórios são claros, e as novas cores se adequam à decoração”, afirma Maria Paula. Outra novidade diz respeito ao material da estrutura da cadeira. Desde o relançamento, o produto, que antes era feito apenas de alumínio, também está disponível em náilon, material mais leve e antirriscos. “É comum o usuário colocar os pés na base da cadeira, e a versão de náilon tem a vantagem de não riscar”, explica a gerente.

Comentários
Topo