Lifestyle

Tecnologia pode ser usada para combater tráfico sexual, diz Ashton Kutcher

Ashton Kutcher pede apoio governamental para o desenvolvimento de novas tecnologias para combater o tráfico sexual online (Getty Images)

Ashton Kutcher pede apoio governamental para o desenvolvimento de novas tecnologias para combater o tráfico sexual online (Getty Images)

O ator de Hollywood e investidor em tecnologia Ashton Kutcher pediu aos legisladores norte-americanos na última quarta-feira (15) que busquem apoio governamental para o desenvolvimento de novas tecnologias para combater o tráfico sexual online.

Os comentários de Kutcher ao Comitê de Relações Exteriores do Senado dos Estados Unidos sucedem fiscalização intensificada de sites de publicidade sigilosa, como o Backpage.com, que exibem anúncios que oferecem crianças para prostituição.

“A tecnologia pode ser usada para permitir a escravidão, mas também pode ser usada para impedir a escravidão”, disse Kutcher.

LEIA MAIS: Como Ashton Kutcher transformou US$ 30 mi em um quarto de bilhão de dólares

Ele falou como presidente da Thorn, empresa de tecnologia sem fins lucrativos que produziu ferramentas baseadas na web para ajudar policiais a identificar e localizar as vítimas do tráfico.

A ferramenta “Spotlight”, que Kutcher disse ter ajudado a identificar 6 mil vítimas em seis meses, foi criada após uma pesquisa de 2012 sobre tráfico sexual descobrir que 63% das vítimas menores de idade relataram terem sido compradas ou vendidas online.

Todos os anos, até 300 mil crianças correm o risco de serem traficadas para prostituição nos Estados Unidos, de acordo com o Departamento de Justiça.

VEJA TAMBÉM: Saiba quais aplicativos salvam a vida dos refugiados na Europa

A maioria das vítimas de tráfico para prostituição é anunciada ou vendida online, de acordo com um relatório do subcomitê do Senado dos EUA que foi divulgado no mês passado.

Backpage.com sofreu na semana passada a mais recente série de ações judiciais que acusam a empresa de promover o tráfico sexual ao publicar e reescrever anúncios que oferecem crianças para prostituição.

(Por Sebastien Malo)

Comentários
Topo