Lifestyle

Conheça o modelo de negócios da JetSmarter

Divulgação

Sergei Petrossov: voos inteligentes com sua JetSmarter (Divulgação)

Houve um tempo, e não faz tanto tempo assim, em que muitos meninos ao redor do mundo respondiam “astronauta” e “piloto de avião” à inevitável pergunta: “O que você quer ser quando crescer?” Com o jovem russo Sergey Petrossov, 29 anos, não foi diferente. A diferença é que, em vez de ficar com a cabeça nos ares, ele transformou o devaneio infantil em uma oportunidade de negócio absolutamente “pé no chão”.

LEIA MAIS: Conheça o Lineage 1000E, maior jato privativo da Embraer

Apesar da pouca idade, Petrossov enxergou na aviação privada seu “blue ocean”, à espera de ser explorado. O primeiro passo foi fazer contas: “Analisei o setor a fundo e descobri que a maioria dos jatos voava 200 horas por ano, e um terço do tempo eles ficavam sem passageiros a bordo. Isso significava muitos voos vazios e um número total de horas de voo muito abaixo da capacidade das aeronaves”.

A JetSmarter opera o trajeto Nova York-Flórida 40 vezes por semana com quase 100% de ocupação

Assim, em 2012, o menino prodígio montou o protótipo da JetSmarter e convenceu profissionais da indústria e usuários a testar seu modelo de negócio. “Inicialmente, oferecemos um serviço digital de charter. Depois, passamos para o compartilhamento de assentos de jatos privados”, lembra.

Sua “sacada” logo se popularizou, a ponto de ser chamada de “o Uber dos ares” – uma forma mais conveniente, inteligente e barata de se locomover pelo ar.

A JetSmarter é um clube fechado. Para entrar nele é necessário desembolsar US$ 15 mil e passar por um background check. Por esse valor, os membros podem reservar assentos em voos que já estão disponíveis na base do aplicativo.

Divulgação

App para reservar assentos em voos (Divulgação)

“A maioria dos nossos clientes gastou US$ 30 mil em 2016, o que não é muito para o mercado. Os 10% top consumiram mais de US$ 144 mil. O maior cliente gastou US$ 2 milhões, mas isso é um extremo fora da curva”, explica Petrossov.

Caso nenhuma rota satisfaça a necessidade do viajante, é possível criar um voo. “O serviço custa US$ 4 mil, e se o resto dos assentos não for vendido, somos nós que assumimos o risco”, conta o jovem empreendedor. “É por isso que usamos uma base de dados bem ampla, para entender melhor nossos usuários. O trajeto Nova York-Flórida, por charter convencional, custa em média US$ 15 mil. Nós operamos essa rota 40 vezes por semana, número maior que o de voos comerciais, com cerca de 96% dos assentos preenchidos.” Outro dado de respeito: a empresa tem 800 aeronaves filiadas, e esse número tende a crescer. Petrossov explica o motivo do otimismo: “Antes de a gente começar, não era normal os passageiros dividirem um voo. Mas muitos que disseram ‘não’ quando começamos agora estão voltando atrás”. Se o cliente exigir uma aeronave maior, como as da Gulfstream, basta pagar uma taxa extra.

Divulgação

O serviço inclui carros de luxo para translados (Divulgação)

Conhecendo o perfil e o nível de exigência de seus usuários, ele incluiu alguns agrados no serviço. “Vemos para onde eles estão indo e facilitamos as coisas: preparamos um carro para buscá-los, cuidamos das reservas dos restaurantes, esse tipo de comodidade que as pessoas esperam de um serviço de alta qualidade.”

CELEBRIDADES

Observador e detalhista, Petrossov já tirou valiosas lições de seu business. Uma delas: o networking é um dos pontos-chaves na hora de atrair novos clientes. Ele percebeu que, durante os voos, os viajantes conversam muito e trocam contatos. Outro fator de atração, uma verdadeira “mina de ouro”, é a presença de celebridades no clube: “O Jay Z [rapper bilionário] e alguns membros da família real saudita usam nossos serviços. Eles geram atenção, são como nossos embaixadores. Ambos, aliás, tornaram-se investidores da JetSmarter”. Eles se juntaram a investidores que, em dezembro de 2016, aplicaram US$ 105 milhões no serviço, então avaliado em US$ 1,5 bilhão.

VEJA TAMBÉM: 10 países com o maior número de jatos particulares do mundo

Expansão internacional está na mira do ousado empresário russo. Hoje os jatos transitam entre os Estados Unidos, países da Europa e Oriente Médio. Os mercados que estão em seu radar são Brasil, México, Índia e China. Petrossov vai procurar parceiros locais para operar nesses países. Quem se habilita?

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).

Comentários
Topo