Guia prático de Moscou para a Copa do Mundo 2018

Com a expectativa de um milhão e meio de visitantes e uma audiência global televisiva de três bilhões de espectadores, a Copa do Mundo FIFA 2018 é uma oportunidade de ouro para a Rússia exibir seu desenvolvimento econômico, inovações culturais e reconquistar o prestígio nacional. O maior evento de futebol só começa na próxima quinta (14), mas o país-sede já marcou um gol estelar ao enviar um astronauta à Estação Espacial Internacional para testar a bola oficial do campeonato em gravidade zero.

VEJA TAMBÉM: Como aproveitar a Copa do Mundo como um czar

A Rússia busca voltar ao cenário futebolístico após violações de doping esportivo, quando a Fifa eliminou sua equipe da competição. E o preço para isso é alto. O custo de construir estádios e de modernizar arenas antigas e a infraestrutura das 11 cidades-sede chegou a US$ 11 bilhões. De Rostov-on-Don, no Sul, à Ekaterinburg, no Leste, os fãs de futebol terão a chance de experimentar as mais recentes melhorias e atrações. E qualquer grande disputa esportiva é uma plataforma perfeita para o intercâmbio intercultural, quando experiências autênticas acontecem fora dos estádio.

Para quem está de partida para a maior festa do futebol, preparamos um guia exclusivo de Moscou.

  • Diga “DA” 10.000 vezes!

    A maior capital europeia, com população de 20 milhões de habitantes, possui uma enorme lista com mais de 10.000 opções de lazer: museus, teatros, cinemas, galerias e parques. São milhares de chances de dizer “DA” (“sim”, em russo) para novas experiências inesperadas! O governo tem melhorado significativamente a infraestrutura de pontos artísticos estratégicos. “Queremos mostrar a capital moderna, avançada e elegante da Rússia. Pretendemos quebrar o estereótipo de um país pós-soviético com gostos arcaicos”, diz Vladimir Fillipov, vice-chefe do Departamento de Cultura de Moscou.

    Fillipov recomenda passear no icônico Moscow Metro. Estações subterrâneas semelhantes a museus, como Arbatskaya, Novoslobodskaya e Taganskaya, oferecem um tour por obras arquitetônicas que vão de art deco a art nouveau. A terceira temporada do Moscow Metro Music Festival apresenta o famoso repertório da Rússia, da música clássica à avant garde. Uma dica para quem for à estação do Dínamo, com seu lendário estádio soviético, é caminhar até o recém-inaugurado Museu do Impressionismo Russo, em uma antiga fábrica de chocolate bolchevique.

    O Museu do Impressionismo Russo é o mais acessível da Europa, com o maior número de obras de arte “traduzidas” em experiências tácteis, audiovisuais e/ou perfumadas. “Moscou sempre serviu como formador de opinião e barômetro de bom gosto para o resto da Rússia, por isso, é importante que continuemos a aumentar o nível”, diz Fillipov. Segundo o Departamento de Cultura de Moscou, seus museus foram visitados por mais de 20 milhões de pessoas no ano passado, um crescimento de 70% desde 2011.

  • Moda e futebol

    A influência da Copa do Mundo já pode ser vista no street style de Moscou. A Athleisure é uma grande tendência de moda global, com muitos souvenirs e designs deslumbrantes. Um dos nomes na vanguarda da fusão esporte e moda na Rússia é a designer Anastasia Dokuchaeva, que recentemente estreou no Mercedes-Benz Fashion Week, na Rússia.

    A marca DOKUCHAEVA, da designer, tem crescido rapidamente em popularidade graças à missão de “causar impacto e manter o cliente sempre no centro das atenções”. Em sua terceira coleção, a recém-chegada conquistou Moscou com roupas e acessórios divertidos.

  • Um guia epicurista para Moscou

    Graças ao aumento da renda e ao crescimento do turismo, Moscou se tornou um disputado destino gastronômico. A cena gourmet é tão diversa quanto a própria Rússia. Separamos sete restaurantes para divertir e satisfazer com culinárias experimental e tradicional. Em destaque, alguns pratos importantes para navegar pelos menus como um moscovita exigente.

  • LavkaLavka

    O novo restaurante de cozinha russa é um projeto da “fazenda para a mesa” e seu modus operandi gerou muito buzz na cidade. É como se a linha do tempo ignorasse a degradação gastronômica do século 20 na Rússia e trabalhasse como se nada tivesse acontecido. Essa é uma maneira de lidar com as conseqüências culturais soviéticas. A julgar pela constante popularidade do conceito e do lugar, a equipe tem feito algo certo!

    Prato destaque: ‘Wild Halibut em Crispy Dough’, frutos do mar do Norte envolto em massa crocante com caldo picante da chef Olga Korogodina.

  • Insight

    Um nível abaixo de Ruski, localizado no 84º andar da torre “OKO”, em Moscou, o Insight apresenta acabamento, mobiliário e elementos de decoração que fazem associações diretas com a natureza russa. Colunas de concreto translúcido trazem vivacidade com flores da floresta e águas-vivas, como no Oceano Ártico. Alexander Stakheev é o chef principal do restaurante. Ele utiliza um grande número de ingredientes raros, muitos dos quais são trazidos para o restaurante por meio de voos diretos do Japão e do Sri Lanka.: baiacu, carne de cavalo japonesa marmorizada, atum japonês de 300 kg, caranguejo azul raro, Wagyu Tajima A5, três tipos de ostras japonesas, foie gras, caviar preto, peixe kinki. Não há limites a não ser o que o bolso puder suportar.

  • Twins Garden

    Twins Garden é um projeto gastronômico inigualável na Rússia. Sob os olhos dos irmãos gêmeos Ivan e Sergei, cerca de dois terços de seus ingredientes vêm de uma fazenda particular, onde são cultivados 150 tipos de vegetais, frutas e ervas exclusivamente para o restaurante. Também são criados aves e peixes, bem como cabras núbias raras para a fabricação de queijo chèvre próprio. A maior lista de vinhos do país é perfeita para relaxar nos dias da Copa do Mundo, com algumas das melhores vistas de Moscou.

    Prato destaque: “Kapusta”, diferentes tipos de repolho, reconhecidamente um vegetal russo, cozido em um molho Suluguni defumado com base em um queijo da República da Geórgia.

  • Usachevsky Market

    Para algo diferente e fora das principais áreas turísticas, confira um dos mais antigos mercados em operação contínua de Moscou! O lugar foi estabelecido no pitoresco distrito de Khamovniki antes da Primeira Guerra Mundial. No ano passado, a vizinhança do século 19 ganhou um novo terraço, um sótão e uma praça de alimentação artesanal. As instalações do mercado são frequentemente utilizadas para eventos e workshops, por isso, definitivamente, haverá algo para fazer durante os dias de maior movimentação da Copa do Mundo.

  • Community

    Assim como o nome sugere, este é um espaço artístico multifuncional: lounge, bar e restaurante gastronômico. O menu traz tradições pan-asiáticas distintas em fusão com clássicos europeus sazonais. Fãs de futebol veganos e vegetarianos podem comemorar! A Green Zone (zona verde, tradução livre) especial, com seu próprio jardim, oferece pratos saudáveis ​​à base de vegetais e muitos tipos diferentes de smoothies. Reserve um tempo para o Tea Room e tenha uma rara oportunidade de experimentar cerimônias privadas de chá, em um ambiente tranquilo, com uma coleção exclusiva de sabores chineses importados. O local é perfeito para fugir da loucura do futebol!

  • Ruski

    Localizado no 85º andar, este é o restaurante mais alto da Europa, um ponto de visita obrigatória para um coquetel ao pôr do sol. A comida russa habitual recebe um upgrade gastronômico conceitual no extenso cardápio. O “Ice Bar” do Ruski é um espaço fascinante, feito inteiramente de gelo para aqueles que procuram o misterioso espírito russo. Aviso justo: você vai beber vodca e comer caviar enquanto “o coração se abre e a alma começa a cantar” “Sing In Your Heart – Gold n’ Soul”. Imperdível!

    Prato destaque: “Herring”, o arenque russo, um aperitivo em conserva servido com torrada de centeio.

  • White Rabbit

    Instalado sob uma cúpula de vidro no 16º andar da famosa Smolenskiy Passage, este é o primeiro e projeto do famoso restaurateur Boris Zarkov e do chef Vladimir Mukhin. O espaço deslumbrante, assim como o intrigante menu, é moderno e ousado à sua maneira. Não surpreendentemente, ficou em 23º lugar na lista dos 50 melhores restaurantes do mundo.

    Prato destaque: “Russian Borsch”, um “must-have”, a versão White Rabbit da famosa sopa é impecável.

  • Café Pushkin

    Se você está pronto para deixar seu czar ou czarina internos à vista, este é um marco a ser visitado. Inspirado por uma referência musical fictícia do hit “Natalie”, do chansonnier francês Gilbert Bécaud, este lendário estabelecimento serve uma real fusão franco-russa, tanto em seus interiores de cair o queixo quanto no menu de dar água na boca. É como viajar de volta ao século 19 em Moscou, quando a nobreza da época falava francês fluentemente e todos usavam os mais recentes estilos de corte franceses. Para ser justo, muita costura francesa ainda é usada pela clientela itinerante do Pushkin.

    Prato destaque: prato de cogumelo russo com batata e ovo ao molho de creme de leite; e carne Rossini com foie gras e trufas ao molho Madeira.

Diga “DA” 10.000 vezes!

A maior capital europeia, com população de 20 milhões de habitantes, possui uma enorme lista com mais de 10.000 opções de lazer: museus, teatros, cinemas, galerias e parques. São milhares de chances de dizer “DA” (“sim”, em russo) para novas experiências inesperadas! O governo tem melhorado significativamente a infraestrutura de pontos artísticos estratégicos. “Queremos mostrar a capital moderna, avançada e elegante da Rússia. Pretendemos quebrar o estereótipo de um país pós-soviético com gostos arcaicos”, diz Vladimir Fillipov, vice-chefe do Departamento de Cultura de Moscou.

Fillipov recomenda passear no icônico Moscow Metro. Estações subterrâneas semelhantes a museus, como Arbatskaya, Novoslobodskaya e Taganskaya, oferecem um tour por obras arquitetônicas que vão de art deco a art nouveau. A terceira temporada do Moscow Metro Music Festival apresenta o famoso repertório da Rússia, da música clássica à avant garde. Uma dica para quem for à estação do Dínamo, com seu lendário estádio soviético, é caminhar até o recém-inaugurado Museu do Impressionismo Russo, em uma antiga fábrica de chocolate bolchevique.

O Museu do Impressionismo Russo é o mais acessível da Europa, com o maior número de obras de arte “traduzidas” em experiências tácteis, audiovisuais e/ou perfumadas. “Moscou sempre serviu como formador de opinião e barômetro de bom gosto para o resto da Rússia, por isso, é importante que continuemos a aumentar o nível”, diz Fillipov. Segundo o Departamento de Cultura de Moscou, seus museus foram visitados por mais de 20 milhões de pessoas no ano passado, um crescimento de 70% desde 2011.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).