Listas

30 abaixo de 30: os maiores destaques da música

O que Afrojack, Meghan Trainor e o Florida Georgia Line têm em comum? A princípio, não muito: o primeiro é um DJ holandês, a segunda é uma pop star em ascensão e o último é um duo de country-rock que flerta com o hip hop.   Deixando as diferenças superficiais de lado, existe pelo menos uma semelhança entre os três: todos sabiam desde que eram adolescentes que queriam ser músicos profissionais.   “Aos 13 anos, disse aos meus pais que precisava de um ônibus de turnê porque seria famosa”, relembra Meghan. Afrojack conta que percebeu a carreira que queria seguir ao ver um DJ tocando em uma boate quando tinha 15 anos. “Foi basicamente quando eu disse: ‘É isso que eu quero fazer’.”   “Se essa coisa da música não tivesse funcionado, provavelmente ainda estaríamos em Nashville tentando descobrir como escrever músicas”, diz Brian Kelley, do Florida Georgia Line. “Esse era o plano A, B, C, D, E, F e G”, completa.   Os três artistas obtiveram sucesso em uma indústria que gera muitos sonhos, mas poucas oportunidades. Por causa disso, garantiram seus lugares na categoria musical da lista 30 abaixo de 30, de FORBES, em 2015.   Para formar a lista, foram escolhidos três veteranos da música para serem jurados: Taylor Hanson, do trio de irmãos Hanson; Jody Gerson, presidente da Universal Music Publishing; e Troy Carter, fundador da empresa de agenciamento Atom Factory e empresário de artistas de sucesso, incluindo John Legend e John Mayer.   Há uma nova fórmula neste ano: não existem repetições, são listados apenas novatos, o que significa que quem apareceu no ranking de 2014 não está presente na versão atual. Assim, nomes como Bruno Mars, Taylor Swift, Wiz Khalifa e Mac Miller não são citados. Mas muitos membros da próxima geração de estrelas da música bastante conhecidos têm seu lugar garantido: Ed Sheeran, Kacey Musgraves, Big Sean e Sam Smith.   O inglês por trás de “Stay With Me” teve um dos melhores anos para qualquer músico, em qualquer idade, recebendo seis Grammys, entre eles Música do Ano e Álbum do Ano. Nenhum outro artista ganhou mais prêmios do que ele, o que contribuiu para que Smith fosse um dos preferidos dos jurados.   “Ele fez uma entrada ousada com um álbum apreciado pela crítica e pelo mercado”, diz Hanson. “Ele é um compositor e um artista de palco”, completa.   Para igualar o jogo, foi decidido que pelo menos dez nomes na lista não seriam artistas em si. É por isso que muitos deles são produtores e empresários. Entre eles, estão o produtor sueco Shellback, que colaborou em nove músicas de 1989, de Taylor Swift, e o cofundador da gravadora Cantora Records, Will Griggs, que tem Distraction, mais recente álbum da banda  Bear Hands, uma de suas maiores conquistas na produção.   “Nós trabalhamos com eles desde o começo”, disse Griggs, cuja gravadora também ajudou a lançar a dupla MGMT anos atrás. “Foi emocionante vê-los alcançar um público muito mais amplo em 2014”.   Veja o ranking completo dos 30 abaixo de 30 da indústria musical de FORBES.

  • A boy band australiana foi lançada para o mundo quando o One Direction a convidou para abrir seus shows na turnê Take Me Home, em 2013. No ano seguinte, o álbum homônimo do quarteto , que conta com a contagiante “She Looks So Perfect”, chegou ao 1º lugar das paradas em 11 países.

  • Além de ser um ícone da moda hip hop, A$AP Rocky é também o líder do coletivo A$AP Mob, que conta também com a participação do americano A$AP Ferg. Long.Live.A$ap, álbum solo de A$AP Rocky, lançado em 2013, fez sua estreia em 1º lugar da Hot 100. O próximo álbum do músico e modelo da marca DKNY está para ser lançado.

  • O DJ holandês ascendeu na cena europeia de música eletrônica antes de explodir no mundo do pop com o hit Give Me Everything, de Ne-Yo e Pitbull. Ano passado, arrecadou US$ 22 milhões.

  • Empresário do rapper Nas, Anthony Saleh também teve um papel importante nas carreiras de Nicki Minaj e Lady Gaga. Sendo um investidor ativo, fundou algumas empresas, entre elas Lyft e Dropbox, e conduz os portfólios de seus clientes musicais: foi produtor-executivo do álbum sem título de Nas, lançado em 2008. É também o vice-presidente executivo da C3 Presents, responsável por organizar festivais de música, como o Lollapalooza de Chicago.

  • O produtor venezuelano levou seus trabalhos sombrios na música eletrônica para quatro faixas de Yeezus, de Kanye West. Também produziu o LP de estreia de FKA Twigs e colaborou com o próximo álbum de Bjork. Arca lançou seu aclamado disco de estreia, Xen, em 2014.

  • A rapper, que se descreve como “o catalisador cultural”, lançou de forma independente em 2014 seu aguardado álbum de estreia, Broke With Expensive Taste. Sua mistura de batidas de balada e rap manteve os ouvintes conectados à sua música desde 2011, quando divulgou o single que a apresentou para mundo, “212”.

  • Hits como “Dance”, de Nicki Minaj, e “Clique”, de Kanye West, levaram o protegido da gravadora G.O.O.D Music para o rádio. Seu segundo álbum, Hall Of Fame, lançado em 2013, alcançou a terceira posição na Billboard 200. Quatro anos depois de seu trabalho de estreia, o rapper se tornou de fato famoso.

  • Acid Rap, mixtape lançada em 2013, teve mais de 880 mil downloads e fez com que o rapper fosse aclamado pela crítica. Desde então, o músico realizou duas turnês – que tiveram os ingressos esgotados – ao mesmo tempo em que liberava gratuitamente no SoundCloud as músicas de sua banda, The Social Experiment.

  • A cantora tem em seu currículo uma das músicas mais tocadas de 2014, “Fancy”. A faixa rendeu a ela e a Iggy Azalea duas indicações ao Grammy. Charli XCX também coescreveu a “I Love It”, mega hit da dupla Icona Pop, que vendeu mais de 2 milhões de cópias nos Estados Unidos.

  • Nascido em Los Angeles, o DJ levou seu rap dançante para as rádios, colocando mais músicas na Hot 100 e na parada de Hot R&B/Hip-Hop Songs do que qualquer outro produtor em 2014.

  • O ruivinho alcançou o sucesso com centenas de shows em locais pequenos na Inglaterra no fim de sua adolescência, até estourar mundialmente em 2011 com +, seu álbum de estreia. Seu segundo disco, X, ocupou o topo dos rankings em 12 países e fez de Ed Sheeran o cantor mais ouvido no Spotify em 2014.

  • Tahliah Barnett, mais conhecida como FKA Twigs, começou com dançarina de Jessie J e Kylie Minogue antes de lançar seu primeiro EP, em 2012. Seu álbum de estreia, LP1, rendeu à cantora a indicação de Melhor Álbum Britânico no Mercury Prize.

  • Florida Georgia Line é formada por Tyler Hubbard e Brian Kelley que incorporam o que significa estar na lista FORBES 30 under 30 da categoria musical: uma mistura de country, rock, eletrônico, hip hop e pop – com um toque de bom empreendedorismo.

  • O trio de irmãs, cujo sobrenome é – adivinhem só! – Haim, alcançaram o status de deusas hipsters antes de assinar com a Roc Nation, gravadora de Jay Z, e atingir o sucesso com seu álbum de estreia, Days Are Gone, que chegou à 6ª posição nos rankings.

  • Em 2011, o californiano assinou um acordo de produção com a G.O.O.D Music, gravadora de Kanye West. Em seguida, mudou-se para a Interscope, até que lançou seu próprio selo, Hits Since ’87. O produtor trabalhou em singles de muito sucesso de Lil Wayne, Beyoncé, Jay Z e Kanye West.

  • O cantor e compositor irlandês estourou no cenário musical americano após fazer pequenas apresentações nos festivais South By Southwest que popularizaram o single “Take Me To Church”, indicada a Canção do Ano no Grammys deste ano.

  • A estreia da rapper australiana em 2014 contou com três singles de sucesso, incluindo “Fancy”, que conta a participação de Charli XCX. A música vendeu cerca de 4 milhões de cópias apenas nos Estados Unidos e o clipe tem mais de 400 milhões de visualizações no Youtube

  • Um contrato com a Sony feito há mais de uma década nunca gerou um álbum, mas após cantar para a Artium, gravadora do produtor No I.D., afiliada ao selo Def Jam Recordings, Jhené Aiko compensa o tempo perdido. Depois de lançar seu álbum de estreia em setembro de 2014, foi indicada para três Grammys.

  • A cantora do Texas lançou três álbuns por conta própria e escreveu músicas para Martina McBride e Miranda Lambert antes de fechar um acordo com a gravadora Mercury Records em 2012. Seu álbum de estreia oficial, Same Trailer Different Park, foi indicado para dois Grammys no ano passado, incluindo Melhor Álbum de Country.

  • Quando o rapper Diddy lançou nos Estados Unidos o canal de televisão Revolt, em outubro de 2013, decidiu contratar funcionários que se parecessem com seu público: jovem, esperto e ambicioso. Kai Wright se encaixa perfeitamente nos requisitos e liderou o planejamento da primeira Revolt Music Conference, que aconteceu em Miami e teve 800 presentes.

  • Lindsey se intitula uma “violinista dançante” e faz vídeos coreografados de si mesma tocando um remix de dance pop. A artista chegou às quartas de final do programa “The America’s Got Talent” e tem agora mais de 5,8 milhões de seguidores do Youtube. Seu segundo álbum, “Shatter Me”, alcançou a 2ª posição na Billboard 200.

  • A estrela mais jovem da música eletrônica comemorou sua formatura no Ensino Médio ao se apresentar em frente a centenas de milhares de pessoas em diferentes cidades. O jovem holandês começou tocando em festas para adolescentes em Amsterdam e estourou em 2013, com o single “Animals”.

  • Uma das revelações de 2014, seu single de estreia “All About That Bass” liderou o Hot 100 americano por oito semanas consecutivas. A faixa rendeu à cantora duas indicações ao Grammy, Gravação do Ano e Música do Ano.

  • Desde que produziu os rappers 2 Chainz, Future e Gucci Mane, Michael Williams (ou Mike Will Made It) viu-se entre os grandes ao participar de oito músicas do álbum Bangerz, de Miley Cyrus. Com seu time de produção, vendeu mais de 8,4 milhões de singles em 2013, incluindo “Body Party”, de Ciara, e “Pour It Up”, de Rihanna.

  • Projects
    A jovem empresária supervisiona as operações e o crescimento estratégico da SB Projects, companhia de entretenimento dirigida por Scooter Braun, empresário de artistas como Justin Bieber e Ariana Grande.

  • O DJ e produtor lançou seu primeiro EP pela OWSLA, gravadora de Skrillex, em 2011, quando tinha apenas 19 anos. Rapidamente alcançou o sucesso e, no ano passado, seu primeiro álbum de estúdio, Worlds, ocupo o topo do ranking de Dance/Electronic.

  • A lista de indicações ao Grammy de 2014 do britânico diz tudo. O cantor ganhou seis prêmios – nenhum outro artista recebeu tantos: Artista Revelação, Gravação do Ano, Música do Ano, Melhor Performance Pop Solo, Álbum do Ano e Melhor Vocal de Álbum Pop.

  • Em 2006, Sebastian Solano fundou a empresa de turnês Life in Color com três amigos e promoveu festas em campus de universidades na Flórida. Com a explosão da música eletrônica e o grande retorno financeiro, a companhia produziu mais de 200 shows do gênero anualmente. Em 2012, foi adquirida pela SFX Entertainment.

  • O produtor sueco começou a carreira como baterista em uma banda local de metal até que Max Martin o descobriu e o contratou. Desde 2008, teve participação em hits de sucesso de artistas como Ariana Grande, One Direction e Taylor Swift, incluindo nove músicas de 1989.

  • Will Griggs cofundou a gravadora Cantora enquanto estudava Negócios Musicais na Universidade de Nova York e, em 2005, lançou Time To Pretend, EP da dupla MGMT. A companhia foi também a responsável por divulgar para o mundo as músicas das bandas Bear Hands e Savoir Adore.

A boy band australiana foi lançada para o mundo quando o One Direction a convidou para abrir seus shows na turnê Take Me Home, em 2013. No ano seguinte, o álbum homônimo do quarteto , que conta com a contagiante “She Looks So Perfect”, chegou ao 1º lugar das paradas em 11 países.

Topo