Listas

10 pontes mais bonitas do mundo

Sem dúvida, um dos pontos altos de qualquer viagem é conhecer a arquitetura dos locais. As construções muitas vezes revelam muito mais do que belas paisagens, elas contam parte da história do país. Podem não chamar tanta atenção dos viajantes quanto catedrais, testros e edifícios, mas as pontes também têm charme e tradição.

VEJA TAMBÉM: 14 lugares mais legais para conhecer em 2016

A belíssima Ponte Sant’Angelo, em Roma, por exemplo, foi construída no ano de 134 a pedido Imperador Adriano. Mais nova, a Henderson Waves, em Cingapura, parece ter saído de um filme de ficção científica. É a ponte mais alta do país.

E MAIS: 10 países mais visitados por turistas de luxo

Veja na galeria de fotos as 10 pontes mais bonitas do mundo:

  • Sant’Angelo, Itália

    A construção da Ponte Sant’Angelo, em Roma, começou por volta do ano 134 a pedido do Imperador Adriano, que desejava conectar seu mausoléu — atualmente museu Castelo de Sant’Angelo — ao outro lado da cidade. Coberta por mármore travertino, ela é, sem dúvida, uma das mais marcantes pontes do mundo. Em 1668, Sant’Angelo foi adornada com dez estátuas de anjos esculpidas por Gian Lorenzo Bernini. Desde 1946, em todo dia 1º de janeiro, pessoas saltam a partir dela para um arriscado (e gelado) mergulho no Rio Tibre. Para os corajosos mergulhadores, a prática atrai boa sorte.

  • Henderson Waves, Cingapura

    Impossível cruzar esta travessia e não se imaginar em um filme futurista. Com 36 metros, Henderson Waves é a ponte mais alta de Cingapura. Feita de ripas de madeira Balau e arcos de aço distribuídos ao longo de 274 metros de extensão, ela conecta dois importantes pontos turísticos da cidade-estado, os parques Mount Faber e Telok Blangah Hill. De autoria do escritório RSP Architects Planners & Engineers, Henderson Waves foi aberta aos pedestres em 2008. Seus sete volumes em forma de onda, além de criarem um belíssimo efeito arquitetônico, abrigam bancos para que os pedestres possam admirar a vista tranquilamente.

  • Ponte Kintai-kyo, Japão

    A Ponte Kintai-kyo, na cidade de Iwakuni, já passou por duras provas. Ela começou a ser construída em 1673 e levou três meses para ficar pronta. Porém, no ano seguinte, uma tempestade a destruiu completamente. Refeita com materiais mais resistentes, ela foi reinagurada alguns meses depois e permaneceu incólume por 276 anos. Até que em 1950, por falta de manutenção devido às dificuldades do pós-guerra, a ponte não resistiu a um tufão. Novas obras foram realizadas sobre o Rio Nishiki e três anos depois a ponte reabriu ao público. Feita inteiramente de madeira, sem uso de pregos, Kintai-kyo é composta por cinco arcos apoiados em estruturas de pedra. Uma curiosidade: o pedestre precisa pagar uma taxa para atravessá-la.

  • Ponte dos Suspiros, Inglaterra

    Ela tem o mesmo nome da famosa ponte de Veneza, porém está localizada em Cambridge. A Ponte dos Suspiros inglesa pertence ao edifício da St. John’s College, da Universidade de Cambridge. Construída em 1831, a passarela liga as salas de aulas aos alojamentos. Dizem que recebeu esse nome porque os estudantes, ao passarem por ela a caminho das provas, costumavam suspirar. Bom, pelo menos é uma história menos trágica do que a da ponte italiana, que conectava prisões a salas de julgamento. Nela, os prisioneiros suspiravam, pois sabiam que nunca mais veriam o mundo exterior. Coberta e decorada com charmosos vitrais, a ponte em Cambridge permite uma bela vista para o Rio Cam e reza a lenda que este era um dos lugares favoritos da rainha Vitória.

  • Ponte das Correntes, Hungria

    Em húngaro, o nome desta ponte é complicado: Széchenyi Lánchíd. Em português significa Ponte das Correntes. Construída em 1849 sobre o Rio Danúbio, ela foi a primeira travessia permanente a ligar os distritos de Buda e Peste (os dois lados da cidade). Com 375 metros de extensão, a ponte é decorada com estátuas de leões nas entradas. À noite, toda iluminada, fica ainda mais bonita. Projetada pelo engenheiro inglês William Tierney Clark, especializado em pontes, Széchenyi Lánchíd possui duas imponentes torres de sustentação. A ponte foi destruída durante a Segunda Guerra e reconstruída em seguida.

  • Ponte da Paz, Geórgia

    Aqui está mais um belo exemplar da arquitetura contemporânea mundial. Localizada acima do Rio Mtkvari, em Tbilisi, capital da Geórgia, a Ponte da Paz foi projetada pelo arquiteto italiano Michele De Lucchi. Com 150 metros de comprimento, ela liga o centro velho da cidade ao Parque Rike, construído recentemente. Sua cobertura de vidro e aço é revestida por milhares de LEDs, que são ligados todos os dias cerca de 90 minutos antes do pôr do sol. Aberta em 2010 para uso exclusivo de pedestres, a Ponte da Paz traz em seu nome o desejo contínuo de um povo cujo país tem uma história marcada por guerras.

  • Benson, Estados Unidos

    Já dá para imaginar gotinhas de água espirrando no corpo, não é mesmo? O ponto forte desta passarela, claro, é a água e toda a natureza ao seu redor. A 45 metros de altura, a Ponte Benson é o local perfeito para apreciar as famosas Cataratas Multnomah, na cidade de Troutdale, no Oregon. Formada por duas quedas d’água, a cachoeira totaliza 189 metros de extensão. Antigamente, a piscina natural vista a partir da ponte era liberada para mergulho, mas um acidente em 1995 fez com que as autoridades interditassem seu uso. Inaugurada em 1914 pelo empresário Simon Benson, um dos idealizadores da Columbia River Highway, a ponte está entre as construções mais fotografadas do Oregon.

  • Chengyang, China

    Localizada em Sanjiang, região tradicionalmente habitada pela etnia Dong, a Ponte Chengyang segue o estilo de arquitetura adotado por esse povo, acostumado a construir travessias cobertas. Inaugurada em 1916 sobre o Rio Linxi, ela é feita apenas de madeiras e pedras, sem o uso de pregos ou rebites. Também chamada de Chengyang Vento e Chuva, a ponte proporciona uma vista pitoresca aos pedestres que a atravessam: a partir dela é possível observar camponeses trabalhando nos arredores e exemplares de árvore do chá no topo das montanhas.

  • Millau, França

    Há diversas pontes estaiadas ao redor do mundo. Até no Brasil temos vários exemplares, o que transforma o estilo em algo comum aos nossos olhos. Mas não poderíamos deixar de fora desta seleção a mais alta delas. Localizado na cidade de Millau, região sudoeste da França, este viaduto tem 343 metros de altura e cruza o vale do Rio Tarn. Dá para ter uma ideia da magnitude desta construção se lembrarmos que a Torre Eiffel tem 300 metros. O Viaduto Millau começou a ser idealizado em 1987 e teve sua construção concluída em 2004. Seu projeto é assinado pelo arquiteto britânico Norman Foster em parceria com o engenheiro francês Michel Virlogeux. E se o assunto é ponte estaiada, não podemos esquecer de um grande fã do estilo: o renomado arquiteto espanhol Santiago Calatravra.

  • Capilano, Canadá

    Indiana Jones já passou por ela. A Ponte Capilano, em Vancouver, serviu de cenário para um dos filmes da série criada por George Lucas. Sim, esta ponte é para quem gosta de aventura. Com 140 metros de comprimento e a 70 metros acima do Rio Capilano, ela balança que é uma maravilha! Feita de corda e madeira, foi erguida em 1889 pelo engenheiro George Mackay, que um ano antes havia comprado um terreno na região. Ele contou com a ajuda de um conhecido e vários cavalos, que enfrentaram a correnteza e arrastaram as cordas para o outro lado do rio. Atualmente, a Ponte Capilano conta com reforço de cabos de aço.

Sant’Angelo, Itália

A construção da Ponte Sant’Angelo, em Roma, começou por volta do ano 134 a pedido do Imperador Adriano, que desejava conectar seu mausoléu — atualmente museu Castelo de Sant’Angelo — ao outro lado da cidade. Coberta por mármore travertino, ela é, sem dúvida, uma das mais marcantes pontes do mundo. Em 1668, Sant’Angelo foi adornada com dez estátuas de anjos esculpidas por Gian Lorenzo Bernini. Desde 1946, em todo dia 1º de janeiro, pessoas saltam a partir dela para um arriscado (e gelado) mergulho no Rio Tibre. Para os corajosos mergulhadores, a prática atrai boa sorte.

Comentários
Topo