10 cidades onde o mercado imobiliário está mais aquecido

Se você investiu em uma propriedade na capital alemã na virada do século, você provavelmente estaria rindo de uma orelha à outra. Em 2003, o prefeito de Berlim, Klaus Wowereit, classificou a cidade como “pobre, mas sexy” devido aos baixos preços dos aluguéis e ao florescer da cena artística.

LEIA MAIS: Caixa reduz juros do crédito imobiliário

De lá para cá, a reputação da cidade está sendo ameaçada por uma valorização do mercado imobiliário. Na verdade, os preços dos imóveis na cidade aumentaram 120% desde 2004, estimulando alertas sobre uma provável bolha. De acordo com novos números da Knight Frank, só entre 2016 e 2017 o aumento foi de 20,5%. Isso faz com que o mercado imobiliário de Berlim detenha o título de o maior e de mais rápido crescimento em todo o mundo. Apesar disso, os preços das propriedades comerciais e residenciais permanecem relativamente baratos em comparação com outras grandes cidades

Mas Berlim não é a única cidade alemã no ranking da Knight Frank. Hamburgo, a segunda maior cidade do país, ficou em 7o lugar, com taxas de crescimento de 20,5%, enquanto Munique e Frankfurt apresentaram crescimento de 13,8% e 13,4% respectivamente.

A cidade turca de Izmir, situada na Região do Egeu, aparece na vice-liderança da lista, com crescimento de 18,4%, enquanto Reykjavik, a capital da Islândia, ficou em 3o lugar, com 16,6%. O boom do turismo na Islândia é uma razão óbvia para o próspero mercado imobiliário da capital, mas a principal razão é a falta de oferta. Vários empreiteiros abandonaram os negócios depois da crise financeira do país e, nos anos seguintes, a oferta não conseguiu acompanhar o ritmo da demanda. Nova York (61º) e Londres (101º) ocupam posições distantes no ranking, com taxas de crescimento de 5,6% e 2%.

Veja, a seguir, a variação dos últimos 12 meses (terceiro trimestre de 2016 a terceiro trimestre de 2017) nos preços dos imóveis de 10 cidades:

  • 1) Berlim – Alemanha
    +20,5%

  • 2) Izmir – Turquia
    +18,5%

  • 3) Reykjavik – Islândia
    +16,6%

  • 4) Vancouver – Canadá
    +16%

  • 5) Budapeste – Hungria
    +15,5%

  • 6) Hong Kong
    +14,8%

  • 7) Hamburgo – Alemanha
    +14,1%

  • 8) Munique – Alemanha
    +13,8%

  • 9) Roterdã – Holanda
    +13,4%

  • 9) Frankfurt – Alemanha
    +13,4%

1) Berlim – Alemanha
+20,5%

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).