10 países com os melhores climas para se viver

Os imigrantes que buscam por um local que proporcione estilo de vida ao ar livre, somado a um clima ensolarado e convidativo, devem considerar morar em um dos 32 países listados pela InterNations, na pesquisa “Expat Insider 2017”.

VEJA TAMBÉM: 10 países onde os imigrantes são mais felizes

De acordo com o levantamento – que ouviu 13 mil pessoas, de 166 nacionalidades, espalhadas por 188 países -, a Grécia é, atualmente, o melhor lugar para vivenciar dias de sol e calor. Já o Brasil, conhecido pelo clima tropical, ocupa a 17ª posição, segunda metade da tabela. Para os entrevistados, apesar dos atrativos climáticos e relações amistosas, o país perde posições (62ª) quanto à qualidade de vida, dado o cenário econômico e político.

Veja, na galeria abaixo, os dez países com classificação superior a 90% de satisfação com o clima e o tempo, para quem deseja viver no verão o ano inteiro:

  • 1. Grécia

    Apesar de ocupar o último lugar no ranking geral dos destinos de expatriados, nem tudo está perdido. Entre os entrevistados, 96% classificam positivamente o clima e o tempo da Grécia. Quanto à qualidade de vida, 15% afirmam que esta foi a principal razão pela qual escolheram o país – em média, apenas 8% dos imigrantes mudaram-se por este motivo. Para um expatriado sul-africano, “a vivência na Grécia gira em torno da família, da socialização e de uma boa qualidade de vida”. De fato, perto de três quartos dos entrevistados que moram no país (74%) dizem que estão felizes em geral. Um norte-americano afirma que “tudo é ótimo – eu poderia morrer aqui”. Outros 58% também acham que poderiam passar o resto de suas vidas no país, enquanto, globalmente, apenas 29% gostariam de ficar no exterior para sempre.

  • 2. Portugal

    De acordo com o levantamento, quem se muda para Portugal tem como principal motivo a busca por uma melhor qualidade de vida – 28% alegam esta razão. Para um brasileiro expatriado, o país tem “pessoas amáveis, bom tempo, boa comida e belos lugares para visitar”. Assim fica fácil entender por que 89% dos entrevistados estão satisfeitos com a vida (11% acima da média global). A maioria dos imigrantes (97%) classifica positivamente o clima local e diz ter muitas oportunidades para desfrutar do tempo ensolarado. Grande parte (62%) sente-se positiva em relação ao equilíbrio entre vida profissional e familiar. Portugal oferece mais do que suficiente para manter os expatriados ocupados fora do trabalho – 92% deles declaram que estão contentes com as atividades de lazer disponíveis.

  • 3. Espanha

    No 3º lugar, a Espanha se mantém entre os melhores países do mundo no que diz respeito ao clima. O bom tempo claramente atrai imigrantes, já que mais de um quarto (26%) deles se mudou para lá na esperança de melhorar sua qualidade de vida e 96% avaliam positivamente as condições climáticas. No geral, 89% dizem estar contentes com a vida na Espanha. Um ucraniano residente no país, afirma que a melhor coisa é que “tem bom clima, além de muitas possibilidades de conhecer pessoas de todo o mundo”. Além do clima mediterrâneo agradável, há uma grande oferta de atividades de lazer – 89% avaliam o quesito de forma positiva. De acordo com um canadense, a Espanha tem uma “cultura de diversão ao ar livre na praia, no mar e nas montanhas”.

  • 4. Costa Rica

    Os expatriados migram para a Costa Rica em busca de uma melhor qualidade de vida – em média três a cada 10 (31%). Quase metade dos entrevistados (48%) afirma que moraria definitivamente em terras costarriquenhas. Um imigrante canadense destaca a alegria que encontra no “tempo e arredores bonitos”, talvez sem surpresa, já que 98% avaliam positivamente o clima. Uma vez instalados no país, 86% dos imigrantes dizem que estão felizes com a vida. No entanto, ao decidir mudar-se para a Costa Rica, não estão apenas atrás dos bons momentos – 62% deles também acreditavam que a mudança seria benéfica para a saúde.

  • 5. Uganda

    Apesar de apenas 2% dos imigrantes terem o país como destino para uma melhor qualidade de vida, mais de três quartos dos que vivem por lá (76%) estão satisfeitos em geral. Um belga expatriado diz: “A vida não é complicada como na Europa, graças às pessoas amigáveis e ao ambiente agradável – é agradável em tudo”. Os que escolhem o país estão extremamente satisfeitos com o clima, já que 93% o avaliam positivamente. No entanto, apenas 55% classificam de forma positiva as opções de lazer disponíveis – contra a média mundial de 73%. Mas quem se muda para Uganda pode não ser capaz de aproveitar ao máximo o incrível clima do local. Um indiano afirma que “o trabalho não deixa muito tempo para atividades sociais ou de lazer”. 13% dos expatriados foram enviados ao país por seus empregadores, o segundo principal motivo de mudanças, atrás apenas do movimento de seguir o parceiro por causa do emprego ou de educação, caso de 19% deles.

  • 6. África do Sul

    Os imigrantes parecem extrair muitos benefícios do clima ensolarado da África do Sul, já que 93% dos entrevistados o avaliam positivamente e 89% apreciam a variedade de opções de lazer. Um australiano residente no país destaca o “clima e o equilíbrio entre vida profissional e pessoal” como vantagens de se viver na África do Sul. No entanto, quase dois terços dos entrevistados (64%) dizem estar preocupados com a segurança pessoal (quando apenas 11% dos expatriados de todo o mundo têm essa preocupação) – o que coloca o país na 63ª posição entre os 65 destinos totais listados. Um congolês ressalta que “a segurança pessoal incerta, a discriminação racial e as tendências xenofóbicas” são motivo de preocupação para muitos expatriados. Esta também pode ser uma das razões pelas quais apenas 74% dos imigrantes que moram na África do Sul estão satisfeitos com a vida, em comparação com as taxas de satisfação acima da média em outros destinos em destaque.

  • 7. Malta

    Com mais de um quarto dos imigrantes (27%) alegando que escolheu Malta em busca de uma melhor qualidade de vida, não é surpreendente que 93% deles avaliem positivamente o clima local. De fato, quase seis em cada dez (59%) pessoas que vivem por lá imaginaram que o país seria bom para a saúde, graças “à atitude descontraída e ao clima ameno”. A ilha do Mediterrâneo parece oferecer um estilo de vida mais tranquilo e 83% dos entrevistados classificaram positivamente a calma do local. Talvez seja o clima ou o ambiente, em grande parte pacífico, pois os expatriados são mais felizes em Malta do que em qualquer outro lugar do mundo (88% contra 78% da média mundial). Um britânico residente no país diz que ama “tudo” por lá, já que “é simplesmente um ótimo lugar para se viver”.

  • 8. México

    A principal razão pela qual os imigrantes – cerca de um a cada sete – mudam-se para o México é por uma melhor qualidade de vida. Um expatriado irlandês descreve a rotina como “relaxada, com sol quase contínuo”. O México parece ser a escolha óbvia para aproveitar os prazeres da vida. Quase 30% dos que se mudaram para o país dizem que se sentiram em casa quase imediatamente e 87% avaliam positivamente o custo de vida. Globalmente, 73% dos imigrantes classificam de forma positiva as atividades de lazer disponíveis no país anfitrião – no México, esse índice é de 87%. Segundo um norte-americano expatriado, “o país é cheio de cultura e pessoas incríveis, além de haver muito a explorar e a aprender”.

  • 9. Chipre

    O país oferece um retiro tranquilo: 91% dos imigrantes classificam positivamente o clima e uma parcela igual se sente confortável em relação à tranquilidade. Mais de três em cada 10 estrangeiros se mudaram para o Chipre em busca de uma melhor qualidade de vida, quatro vezes a média global (32% contra 8%). Um britânico residente na ilha explica que “a vida em Chipre é geralmente fácil”. Quase metade dos estrangeiros parece concordar – 46% dos entrevistados dizem que poderiam permanecer lá indefinidamente. Um expatriado do Zimbábue retrata Chipre como um “lugar pacífico com tempo bom”. Na verdade, oito em cada dez imigrantes acreditavam que a segurança pessoal seria um benefício da mudança para o país. Esse resultado só é superado por Singapura, onde 86% dos entrevistados pensavam assim antes da mudança.

  • 10. Quênia

    Com 91% dos expatriados classificando positivamente o clima local, o país do Leste Africano é o último no ranking dos 10 países com melhores condições climáticas. No entanto, não é a qualidade de vida ou o clima fantástico que continua a atrair estrangeiros. Perto de um quarto (24%) mudou-se para o Quênia por conta do trabalho. Antes da mudança, 49% temiam que a falta de segurança pessoal fosse uma desvantagem da vida por lá. Um expatriado britânico diz que o “crime” é a principal desvantagem, já que “você não pode simplesmente andar por aí facilmente”. No entanto, 79% dos estrangeiros no Quênia estão felizes com sua vida em geral – acima da média global de 78%. Um imigrante sul-africano diz que a melhor coisa do país é “o ar livre e a oportunidade de curtir a natureza”. O que não costuma ser tão fácil, já que o Quênia tem a quarta jornada de trabalho mais longa entre todos os 65 destinos, com 48,1 horas semanais.

1. Grécia

Apesar de ocupar o último lugar no ranking geral dos destinos de expatriados, nem tudo está perdido. Entre os entrevistados, 96% classificam positivamente o clima e o tempo da Grécia. Quanto à qualidade de vida, 15% afirmam que esta foi a principal razão pela qual escolheram o país – em média, apenas 8% dos imigrantes mudaram-se por este motivo. Para um expatriado sul-africano, “a vivência na Grécia gira em torno da família, da socialização e de uma boa qualidade de vida”. De fato, perto de três quartos dos entrevistados que moram no país (74%) dizem que estão felizes em geral. Um norte-americano afirma que “tudo é ótimo – eu poderia morrer aqui”. Outros 58% também acham que poderiam passar o resto de suas vidas no país, enquanto, globalmente, apenas 29% gostariam de ficar no exterior para sempre.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).